Homenagem a vítimas de atentados marca evento do Rio-2016

Acordo com a OIF prevê cooperação nos serviços linguísticos

MARCIO DOLZAN, O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2015 | 12h10

A cerimônia de assinatura de parceria entre o Comitê Rio-2016 e a Organização Internacional da Francofonia (OIF) - entidade que representa 57 países que falam o idioma francês - foi marcada por uma homenagem às vítimas de atentados terroristas nas últimas semanas. Durante evento, realizado na manhã desta segunda-feira, no Rio, o representante da OIF, o músico camaronês Manu Dibango, afirmou que os atos "não serão capazes de acabar com tudo que já conquistamos".

Além dos atentados em Paris, ações de terroristas fizeram vítimas na Nigéria, no Líbano e no Mali nas últimas semanas. Uma delegação da OIF ficou entre os reféns do hotel Radisson de Bamako, capital do Mali, invadido por um grupo jihadista na sexta-feira. A ação deixou 21 mortos.

"Pretendem nos destituir de tudo o que nós conquistamos, mas isso só faz com que reforcemos ainda mais os vínculos que nos unem uns aos outros", disse Dibango, pouco depois de a cerimônia iniciar com um minuto de silêncio. "O silêncio eloquente que acabamos de compartilhar demonstra o engajamento e a afirmação que todos temos sobre nosso projeto de sociedade."

 

Músico camaronês Manu Dibango toca 'Aquarela do Brasil' em evento da Olimpíada #rio2016

Um vídeo publicado por Estadão Esporte (@estadaoesporte) em

O acordo assinado na manhã desta segunda-feira prevê a cooperação com o Rio-2016 em serviços linguísticos, com a utilização de tradutores e intérpretes de todos os países que falam o idioma francês, e um projeto de educação que pretende ajudar as escolas do País e os prestadores de serviço a falar melhor o idioma. Os detalhes serão anunciados em março do próximo ano, quando Dibango voltará ao Brasil.

"O importante não é só a parceria, mas também o interesse mundial pelos Jogos do Rio. Nas nossas viagens ao redor do mundo a gente presencia isso. Talvez sejam os Jogos mais esperados, por serem os primeiros da América do Sul e por ser em um país alegre. É uma oportunidade de o Rio de Janeiro se posicionar como uma das cidades mais importantes do cenário mundial", ponderou Renato Ciuchini, diretor Comercial do Rio-2016.

Após a assinatura do acordo, Dibango, primeiro artista africano a receber um disco de ouro nos Estados Unidos, em 1973, fez uma apresentação de saxofone ao lado do grupo musical brasileiro Orquestra Ciclofônica, que faz apresentações tocando instrumentos musicais enquanto pedala.

Mais conteúdo sobre:
Olimpíada Rio 2016 Jogos Olímpicos OIF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.