Hong Kong sofre com poluição a poucos dias do início dos Jogos

Unida a altas temperaturas, ela matou uma mulher e hospitalizou 91 idosos com problemas respiratórios

Efe,

29 de julho de 2008 | 05h01

Hong Kong, sede das provas eqüestres dos Jogos Olímpicos de 2008, alcançou uma nova marca de poluição. Unida ao calor extremo, a poluição matou nesta segunda-feira uma mulher e hospitalizou 91 idosos com problemas respiratórios, informou a imprensa local. Acompanhe a cobertura completa de Pequim 2008 A neblina tóxica e as altas temperaturas registradas na segunda-feira em Hong Kong, com 36 graus, fizeram com que 1.334 pessoas tivessem de ser atendidas. Além disso, o diário The Standard infoirma que uma mulher de 52 anos morreu. No entanto, o capitão da equipe eqüestre do Canadá, Michael Gallagher, minimizou a importância deste fenômeno ao afirmar ao jornal South China Morning Post que todos tomaram conhecimento da nuvem de poluição de Hong Kong, e que ela não era "negra como em Pequim". O índice de poluição ambiental alcançou 202 pontos em uma localidade ao nordeste de Hong Kong, o máximo desde que o Observatório local iniciou esse acompanhamento, em 1995. Sha Tin, que receberá as provas de hipismo, registrou um máximo de 173 pontos, também sem precedentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.