Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Hotel de Tóquio volta atrás após separar elevadores para japoneses e estrangeiros

Após repercussão negativa, Akasaka Excel Hotel Tokyu recua da intenção de segregar pessoas que viajaram pela Olimpíada do restante dos hóspedes

Redação, O Estado de S. Paulo

12 de julho de 2021 | 10h58

Na sexta-feira, 9,  o Akasaka Excel Hotel, em Tóquio, determinou por meio de avisos que haveria dois elevadores apenas para japoneses e dois apenas para estrangeiros. A ação do hotel de luxo causou reclamações nas redes sociais, acusando o estabelecimento de discriminação e segregação.

Menções ao apartheid e às medidas de Jim Crow nos Estados Unidos, que impediam negros de votar na região sul do país, foram feitas no Twitter. Diante disso, a direção do hotel recuou e retirou os avisos dois dias depois. O hotel pediu desculpas pelo "mal-entendido" e afirmou que a ideia inicial era separar o fluxo de pessoas que viajaram para a Olimpíada do resto dos hóspedes, de acordo com o Kyoto News.

O Akasaka Excel Hotel, hospedagem de quatro estrelas, com diárias que vão de US$ 70 (R$ 368) a US$ 780 (R$ 4100), ainda informou que "não tinha intenção de discriminar". Por conta de sua localização privilegiada, perto do prédio do parlamento japonês e do Palácio Imperial, o estabelecimento deve ser requisitado no período dos Jogos. 

Nesta segunda-feira, 12, começa a valer o estado de emergência. Para prevenir o agravamento da pandemia no país, as autoridades japonesas determinaram medidas válidas para Tóquio e Okinawa até 22 de agosto, duas semanas após o encerramento da Olimpíada. Bares, restaurantes e karaokês estão proibidos de vender bebida alcoólica e devem fechar às 20h durante o estado de emergência. Locais como Chiba, Saitama, Kanagawa e Osaka terão restrições mais leves. Com permissão das autoridades responsáveis, a venda dessas bebidas pode acontecer até às 19h. 

O Japão registrou mais de 815 mil casos e quase 15 mil mortes por covid-19. No último domingo, Tóquio reportou 614 novos casos, um aumento pelo 22º dia consecutivo. A vacinação no país iniciou a passos lentos e enfrenta interrupções no fornecimento das doses. Apenas 28% da população japonesa recebeu pelo menos uma dose da vacina. Porém, atualmente, um milhão de pessoas estão sendo vacinadas por dia.

Por medo da disseminação da variante Delta, a organização dos Jogos Olímpicos decidiu na última quinta que os eventos não terão público. Antes, apenas residentes no Japão estavam autorizados a acompanhar as competições. A caminhada da tocha olímpica também foi cancelada na capital e restrita a cerimônias fechadas. Apesar das restrições, o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, disse que quer "transmitir uma mensagem aos fãs de Tóquio sobre como superar as adversidades com esforço e sabedoria".

Os residentes da capital levam cada vez menos a sério os estados de emergência, mas o público do Japão em geral se mostrou contrário à realização da Olimpíada no país. Em pesquisas recentes, a maioria das pessoas apoia o cancelamento ou um novo atraso do evento, que vai começar no dia 23.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.