IAAF pede mudanças em programa antidoping de Quênia e Etiópia

A Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) revelou nesta sexta-feira que há cinco países que apresentam situação crítica quanto aos seus programas antidoping. São eles: Etiópia, Quênia, Marrocos, Ucrânia e Bielo-Rússia.

Estadão Conteúdo

11 de março de 2016 | 13h54

Para o presidente da IAAF, Sebastian Coe, estes países precisam fazer mudanças profundas em seus programas, com o objetivo de evitar casos positivos em futuros testes. Etíope e Marrocos, segundo Coe, apresentam situação "urgente". Os outros três devem alterar seu programa antidoping até o fim do ano.

As declarações de Coe levantam suspeitas quanto aos testes já realizados pelas agências nacionais antidoping de cada país. Dois deles, Etiópia e Quênia, se tornaram famosos nos últimos anos por revelar grandes corredores fundistas. Dez dos melhores maratonistas da temporada pertencem a um destes dois países. Eles concentram ainda os 40 melhores tempos da história na tradicional prova.

Coe avisou que, por enquanto, não há qualquer punição a estes países ou risco de serem impedidos de disputar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.