Igreja terá 'importante presença' nas Olimpíadas

Bispos locais e sacerdotes de todo mundo estarão presentes na cerimônia de abertura dos Jogos

Ansa

28 de julho de 2008 | 15h06

A China planeja uma significativa abertura à liberdade religiosa por ocasião das Olimpíadas de Pequim 2008. Para o diretor da seção "Igreja e Esporte" do Pontifício Conselho para os Laicos, o padre Kevin Lixey, o Comitê organizador quer que fiéis de todo mundo possam exercer sua religião no país dos Jogos. "Mesmo não tendo havido convites formais de expoentes do Vaticano por parte do Comitê Olímpico, os bispos locais foram convidados e irão aos Jogos também os capelães da Itália, da Polônia, da Alemanha e de outros países", disse Lixey. Estas presenças só serão possíveis porque, com as Olimpíadas, "a China abre as portas ao mundo e o mundo para a China", disse o sacerdote, ressaltando que "esta abertura é recíproca". Padre Lixey informou também que o Pontifício Conselho para os Laicos "apreciou muito a decisão de permitir que sejam celebradas missas em algumas igrejas em diversas línguas para os fiéis que estarão na China em ocasião das Olimpíadas. Não esperávamos e estamos muito contentes, pois constatamos um comportamento de abertura". "Não haverá apenas as missas, pois soube que a China está também imprimindo e distribuindo Bíblias com o logo esportivo das Olimpíadas e isso me parece uma coisa muito boa", completou o padre.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.