Análise: Imagens de crueldade seduzem lobos solitários e desajustados

Estado Islâmico se utiliza de 'marketing sangrento' para promover ataques

Roberto Lameirinhas, O Estado de S. Paulo

22 de julho de 2016 | 05h00

O Estado Islâmico está ao mesmo tempo em toda parte e em lugar nenhum. O grupo que defende a refundação do califado sob a rigidez da sharia (o código de leis islâmico) marcou a "proclamação de independência", em 2014, com ações de crueldade rara com objetivos bem definidos: conquistar corações revoltados e mentes desajustadas para a causa do terror em nome da religião.

A estratégia de exibir sessões de decapitações, execuções a tiros ou enforcamentos de infiéis à exaustão na internet obedece mais a teses de marketing inescrupuloso do que a cânones islâmicos. A aposta de que a massificação de imagens sangrentas teria como receptores indivíduos dispostos a replicar essas ações parece ter sido acertada. Com isso, o EI prescinde de organização sofisticada ou planos minuciosos para acrescentar ao seu currículo ataques de grande eficiência em termos de letalidade e, consequentemente, repercussão na mídia.

O americano-afegão Omar Siddique Mateen teve pouca dificuldade, em junho, para massacrar 50 pessoas que se divertiam numa boate em Orlando. Mateen aparentemente não tinha vínculo direto com o EI, mas fez de tudo para dar a entender que agia em nome do grupo. Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, franco-tunisiano, também não tinha laços claros com o EI ao promover a carnificina do 14 de Julho em Nice. Os dois episódios entraram, triunfalmente, na conta das realizações maléficas do EI.

A Al-Qaeda era mais cuidadosa no esforço de imprimir sua marca nos ataques que perpetrava, com o lançamento de atentados coordenados e simultâneos – como no 11 de Setembro, em Nova York e Washington. O caráter de "recrutamento" à posteriori do EI dá a ele uma pouco comum onipresença. Seu "soldado" pode estar entre os indivíduos presos nesta quinta-feira pela PF. Ou pode se manter ainda adormecido como um "lobo solitário", planejando a melhor maneira de lançar um carro sobre uma multidão ou disparar rajadas de metralhadora em alguma aglomeração de bares ou eventos noturnos – longe tanto do monitoramento das autoridades quanto de contatos diretos com os fóruns de internet ligados ao califado sunita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.