Arte| Estadão
Arte| Estadão

Instalações olímpicas custam R$ 59 milhões por ano

Parque Olímpico da Barra ficará a cargo da prefeitura e o Parque de Deodoro, do governo federal

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2016 | 17h00

Manter funcionando as instalações do Parque Olímpico da Barra e do Parque de Deodoro usadas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio custará R$ 59 milhões por ano aos cofres públicos. Essa é a previsão calculada pela prefeitura do Rio e pelos ministérios do Esporte e da Defesa, responsáveis pela administração dos locais.

A maior parte desses gastos – R$ 46 milhões por ano – será bancada pelo Ministério do Esporte e pelas Forças Armadas, que cuidarão da manutenção dos equipamentos esportivos de Deodoro. Já a prefeitura do Rio terá de arcar com R$ 13 milhões por ano para fazer a gestão e operação do Parque Olímpico da Barra em parceria com a iniciativa privada.

Para construir os equipamentos usados nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, o Governo Federal e a Prefeitura gastaram juntos R$ 2,8 bilhões. A União bancou R$ 2,09 bilhões e a prefeitura R$ 732 milhões. A iniciativa privada gastou R$ 4,2 bilhões para levantar as Arenas Carioca 1, 2 e 3, o Centro de Imprensa, o hotel de mídia, a Vila Olímpica e o campo de golfe.

A partir de 2017, em Deodoro, os estádios de hóquei sobre grama, tiro esportivo, rúgbi, pentatlo moderno e hipismo e a Arena da Juventude serão usados em conjunto com as confederações para o esporte de alto rendimento e treinamento de equipes do Exército. O projeto de legado também prevê como uso secundário desses espaços o aluguel para entidades esportivas. As instalações serão integradas através da Rede Nacional de Treinamento, criada pelo Ministério do Esporte.

O Parque Olímpico da Barra possui uma “arquitetura nômade”, que permite adaptações às estruturas do local. A Arena Carioca 1, palco dos os jogos de basquete na Olimpíada, por exemplo, será transformada em um centro de treinamento do boxe e tae-kwon-do e também sofrerá mudanças para poder receber shows e eventos. A ideia é transformar o local em uma arena multifuncional.

Já a Arena Carioca 2 será exclusiva para treinamento. Dez modalidades devem passar a usar o local a partir do ano que vem. A Arena Carioca 3 passará a ser uma escola com capacidade para até mil alunos. A meta do prefeito Eduardo Paes é terminar as obras de adaptação ainda este para fazer a inauguração antes do fim do seu mandato.

A Arena do Futuro, onde foram disputadas as partidas de handebol nos Jogos Olímpicos, será desmontada. O material da arena será utilizado para construir quatro escolas municipais três na região da Barra e Jacarepaguá, zona oeste do Rio, e uma em São Cristóvão, zona norte. Cada escola terá capacidade para até 500 alunos.

Multiuso. Como as piscinas são desmontáveis, o Estádio Aquático Olímpico também será desfeito para a construção de dois centros de treinamento. A princípio, esses novos espaços ficariam no Parque Madureira, na zona norte, e em Campo Grande, na zona oeste.

Mas, outras cidades demonstraram interesse em contar com as piscinas e, como a obra foi bancada pelo Governo Federal, o Rio pode ficar com apenas uma delas. Palmas, capital do Tocantins, poderá ficar com um dos equipamentos.

O Velódromo e o Centro de Tênis se tornarão centros de treinamento para atletas. Para o velódromo, onde foram quebrados 26 recordes mundiais e olímpicos durante os Jogos, os dirigentes buscam montar plano para manter o local ativo com eventos internacionais e base de treinamento de ciclistas da América do Sul, que não precisariam mais viajar até a Europa, onde hoje estão as melhores pistas do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

Licitação para Parque da Barra é adiada outra vez

Escolha só será anunciada no fim de setembro, após Jogos Paralímpicos

Raphael Ramos e Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2016 | 17h00

A licitação para a escolha da empresa que atuará junto com a prefeitura do Rio na operação do Parque Olímpico da Barra sairá só no fim de setembro, depois do encerramento dos Jogos Paralímpicos. A data para a abertura da concorrência já foi adiada duas vezes. Antes prevista para o início do mês, primeiro foi transferida para a última sexta-feira e depois para o fim do próximo mês para revisão do edital da PPP (Parceria Público Privada).

Além da desmontagem de duas arenas, o terreno de 1,18 milhão de metros quadrados passará por significativas mudanças para que seja transformado em um parque público. Entre as alterações em relação aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos está a construção de uma pista de atletismo.

A previsão é que a adaptação completa do Parque Olímpico da Barra demore até dois anos. Segundo o prefeito do Rio, Eduardo Paes, quatro empresas teriam demonstrado interesse em participar da administração do local. A maior fonte de renda do parque será a Arena Carioca 1, palco das disputas de tae-kwon-do e esgrima na Olimpíada e das lutas de judô na Paralimpíada, que será transformada em uma casa de shows.

Deodoro. O Estádio de Canoagem Slalom, o Centro Olímpico de BMX e o Centro de Mountain Bike serão batizados de Parque Radical. O local será concedido pelo Governo Federal à prefeitura do Rio e o estádio de canoagem, por exemplo, será uma piscina pública – no primeiro semestre, o espaço já foi aberta à população para uma espécie de teste.

A prefeitura, no entanto, terá de ceder o uso das instalações para as confederações de Canoagem e Ciclismo em datas em que houver competições dessas modalidades.

Também será feito um estudo de viabilidade para a construção de um autódromo em Deodoro. O equipamento está previsto para substituir o autódromo de Jacarepaguá, demolido para obras do Parque Olímpico da Barra. O projeto, no entanto, foi suspenso por causa do contingenciamento de recursos do Ministério do Esporte. /R.R e MARCIO DOLZAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.