Alexandre Loureiro/COB
Alexandre Loureiro/COB

Isaquias e Ana Marcela são os melhores atletas do ano no Prêmio Brasil Olímpico

Henrique Avancini, do ciclismo mountain bike é escolhido o Atleta da Torcida em votação popular

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2018 | 21h51

Isaquias Queiroz e Ana Marcela Cunha foram escolhidos os "Melhores Atletas" do ano na 20ª edição do Prêmio Brasil Olímpico, que foi realizado ontem, no Rio. O medalhista da canoagem velocidade nos Jogos de 2016 conquistou o tricampeonato enquanto a atleta de maratona aquática se tornou bicampeã na festa do esporte olímpico nacional.

Isaquias disputava com Gabriel Medina (surfe) e Pedro Barros (skate). O canoísta conquistou neste ano três medalhas no Mundial em Montemor-o-Velho, em Portugal - ouro no C1 500m e no C2 500m, ao lado de Erlon Souza, e bronze no C1 1000m. O baiano ganha pela terceira vez a premiação. As outras foram em 2015 e 2016.

 

"Já é minha terceira vez. Do lado de Gabriel Medina e Pedro Barros é uma honra. Foi um ano de muita conquista e uma perda enorme na canoagem, o querido Jesus Morlán que faleceu. Sem ele não teria conseguido esses resultados. É uma hora difícil que estamos passando, mas vamos seguir até Tóquio e visualizar os Jogos de 2024, como o Morlán falava", disse Isaquias, emocionado.

No feminino, Ana Marcela Cunha repetiu a dose e tornou-se bicampeã: 2016 e 2018, superando Ana Sátila (canoagem slalom) e Marta (futebol). Neste ano, ela conquistou o tetracampeonato do Circuito Mundial de Maratonas Aquáticas e aos 26 anos mostra estar em um grande momento. Tanto que pela quinta vez na carreira ela foi eleita a melhor atleta do mundo na modalidade e recebeu o prêmio da Federação Internacional de Natação (Fina).

"Achei que desta vez não fosse levar esse prêmio, pois tinha a Marta, a Ana Sátila. Todas que chegaram em suas modalidades sendo a melhor merecem esse prêmio e estou muito feliz de conquistar esse feito pela segunda vez", comentou Ana Marcela.

A boa fase dela coincide com o trabalho de seu técnico, Fernando Possenti, eleito o melhor treinador do ano nas modalidades individuais. Ele recebeu o Troféu Jesus Morlán, que tornou-se uma homenagem ao técnico espanhol falecido recentemente. Foi ele quem moldou o campeão Isaquias Queiroz e outros atletas da seleção.

"É uma grande honra e uma grande responsabilidade receber este prêmio que leva o nome do Morlán. Esse prêmio não é só meu, mas de todos que ajudam na preparação da Ana e também da atleta, afirmou Possenti.

Nas modalidades coletivas, quem foi premiado foi Renan Dal Zotto, técnico da seleção masculina de vôlei, que chegou até a decisão do Mundial neste ano e ficou com a medalha de prata. Ele ganhou o Troféu Bebeto de Freitas. "É um orgulho e emoção muito grande ganhar esse prêmio", afirmou Renan, que participou da festa em uma cadeira de rodas por causa de uma cirurgia no joelho.

Já o ciclista Henrique Avancini, do mountain bike, levou a melhor na premiação de Atleta da Torcida. Ele contou com o voto popular para desbancar estrelas como Ágatha e Duda (vôlei de praia), Arthur Zanetti (ginástica artística), Bruno Fratus (natação), Bruno Rezende (vôlei), Eduarda Amorim (handebol), Érika Miranda (judô), Gabriel Medina (surfe), Letícia Bufoni (skate) e Marta (futebol).

O Troféu Adhemar Ferreira da Silva foi dado a Jackie Silva, do vôlei de praia, que ao lado de Sandra Pires conquistou a primeira medalha olímpica do esporte feminino brasileiro, com o ouro nos Jogos de Atlanta, em 1996. Ela fez um discurso emocionante, falou do preconceito que sofreu e elogiou os novos tempos do COB.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.