Jonne Roriz/COB
Jonne Roriz/COB

Isaquias ganha medalha de ouro na canoagem velocidade e completa sua coleção

Baiano promete 1º lugar e cumpre; ele tem duelo duro com rival chinês, mas dispara no fim para subir ao local mais alto do pódio

Paulo Favero, enviado especial/TÓQUIO, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2021 | 00h11

Isaquias Queiroz é campeão olímpico. Ele realizou seu sonho e objetivo nos Jogos de Tóquio e ganhou a medalha de ouro no C1 1.000m na canoagem velocidade. O feito coloca o brasileiro em um novo patamar e reforça o trabalho feito por Jesus Morlán, que forjou outros campeões da modalidade, mas faleceu durante o ciclo para a Olimpíada.

Desde o fim dos Jogos do Rio, Isaquias começou a se preparar para Tóquio. O próprio Morlán via como positivo ele não ter conseguido o ouro olímpico para poder chegar em Tóquio com mais "fome" de medalhar. O atleta ficou mais forte e rápido, mas também teve alguns problemas no caminho. O primeiro foi a perda de Morlán, espanhol que levou a canoagem brasileira para um outro patamar, mas que faleceu em novembro de 2018.

O auxiliar Lauro de Souza Júnior assumiu os treinamentos na canoa, seguindo todos os ensinamentos do antigo técnico, incluindo a programação de treinos. A pandemia de covid-19 pouco afetou Isaquias, que treinava em um local isolado em Lagoa Santa, em Minas Gerais. Mas aí pouco antes da Olimpíada, ele perdeu para Tóquio seu parceiro Erlon de Souza, que por causa de problemas no quadril não poderia competir. Então Isaquias chegou a Tóquio sem seu fiel escudeiro no C2 e acabou ficando fora do pódio na prova.

Sair de Tóquio com uma medalha tinha virado obsessão para Isaquias, ainda mais após o quarto lugar em sua primeira disputa no Japão, no C2 1.000m, ao lado de Jacky Godmann. Ele acabou ficando fora do pódio e isso o deixou com mais vontade ainda para a disputa individual. Tanto que sobrou nas eliminatórias e se classificou direto para as quartas de final.

Nesta sexta-feira, manhã de sábado no Japão, ele disputou a semifinal e participou da segunda bateria. Liderou toda a prova, até poupando um pouco de energia no final, e ficou à frente de Serghei Tarnovschi, da Moldávia, de Conrad Scheibner, da Alemanha, e de Zheng Pengfei, da China. Na outra semifinal quem liderou foi o francês Adrien Bart, seguido pelo chinês Hao Lin, pelo checo Martin Fuksa e pelo cubano Fernando Jorge.

Na final, ele começou bem e passou a marca de 250m na terceira posição. Na metade da prova, estava em segundo, mas colado no chinês Liu Hao. A partir daí aumentou o ritmo, aumentou a distância e fechou a prova com tranquilidade em 4min04s408. A prata ficou com Liu Hao, da China, e o bronze com Tarnovschi.

Isaquias é baiano de Ubaitaba, cidade que fica próxima a Ilhéus e que fez uma festa para acompanhar a final do filho ilustre. Quando ele fez história nos Jogos do Rio, cinco anos atrás, desfilou em carro de bombeiro com suas três medalhas: ele foi o primeiro brasileiro a realizar tal feito em um única edição da Olimpíada.

Na ocasião, ele ganhou a medalha de prata no C1 1.000m e conquistou outra da mesma cor no C2 junto com Erlon de Souza, também nos 1.000m. E ainda garantiu um bronze no C1 200m, algo raríssimo porque para uma distância curta precisa fazer um outro tipo de prova, com mais velocidade e menos resistência.

Aos 27 anos, ele coloca seu quarto pódio olímpico e vai se firmando como um dos maiores atletas brasileiros na história. E já vislumbra um bom desempenho nos Jogos de Paris, em 2024. Lá haverá a distância de 500m, algo que agrada ao canoísta e pode ajudar a ampliar ainda mais sua coleção de medalhas olímpicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.