Paulo Favero / Estadão
Paulo Favero / Estadão

Isaquias Queiroz e Rebeca Andrade são eleitos os melhores atletas do ano

Campeões olímpicos nos Jogos de Tóquio, o canoísta e a ginasta superaram outros grandes nomes das 51 modalidades do esporte brasileiro que brilharam na temporada

Paulo Favero / Enviado Especial / Aracaju (SE), O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2021 | 22h13

O canoísta Isaquias Queiroz e a ginasta Rebeca Andrade conquistaram o prêmio de Melhor Atleta do Ano nesta terça-feira, em cerimônia realizada no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju, estado do Sergipe. Os dois atletas, campeões olímpicos nos Jogos de Tóquio, foram eleitos por um júri especializado e superaram outros grandes nomes do esporte na temporada.

Com mais um título no currículo, Isaquias Queiroz se tornou o maior vencedor do Prêmio Brasil Olímpico (PBO). Esta foi a quarta vez que ele ganhou como Melhor Atleta do Ano, deixando para trás Cesar Cielo (natação), que ganhou três vezes. Já Rebeca foi eleita pela primeira vez na carreira, mas não pôde participar da festa porque está de férias e já tinha programado uma viagem com bastante antecedência.

"Honramos a bandeira do Brasil”, disse Isaquias. “Agora meu foco é buscar outra medalha nos Jogos de Paris, em 2024. Muita gente fala que Paris é logo ali, mas não é bem isso. Tem muito sofrimento até lá, muito treino para chegar bem na Olimpíada. O objetivo é chegar à minha sexta medalha olímpica”, continuou, contando com os pódios na prova de C2 500m e C1 1.000m.

Ele fez questão de participar da premiação, que foi realizada pela primeira vez no Nordeste, e festejou um ano de sucesso. Na Olimpíada, ele bateu na trave na prova do C2 1.000m na canoagem velocidade, ao lado de Jacky Godmann, mas se recuperou depois ao ganhar seu primeiro ouro olímpico, vencendo com folga a prova de C1 1.000m.

O canoísta também aproveitou para reclamar do tratamento dado pelo governo da Bahia. “Eu vi que em São Paulo a Ana Marcela foi homenageada, o Arthur Nory também, mas não recebi uma carta sequer. Claro que a população me valorizou, e isso foi legal. Espero que um dia isso mude, pois as pessoas precisam de apoio”, comentou, reforçando sua alegria de ver tantos medalhistas do Nordeste e um evento em sua região.

Isaquias superou na votação dos especialistas outros dois campeões olímpicos de Tóquio: Hebert Conceição (boxe) e Italo Ferreira (surfe). Já Rebeca levou a melhor diante de outras duas medalhistas no Japão: Ana Marcela Cunha, que foi ouro na maratona aquática, e Rayssa Leal, que ganhou a prata no skate.

Isaquias e Rebeca ainda foram premiados junto com os atletas mais votados nas 51 modalidades, além dos técnicos que tiveram um ótimo trabalho: André Jardine (futebol), nas modalidades coletivas; Fernando Possenti (maratona aquática), Francisco Porath (ginástica artística), Javier Torres (vela), Lauro Souza Jr. (canoagem velocidade) e Mateus Alves (boxe), nas individuais. Eles receberam os troféus de Melhores Treinadores do Ano.

"Estar aqui é muito legal, pois as lembranças voltam e fico um pouco nostálgico. Enxergo o futuro com muita coisa boa por vir e ganhar aquela medalha de ouro foi um sentimento único. Sempre vem um filme na cabeça”, comentou Jardine, que é funcionário da CBF e foi premiado como técnico dos esportes coletivos. Ele também se mostrou feliz por ver Tite, técnico da seleção principal, utilizando jogadores que estiveram em Tóquio.

Já na tradicional votação de Atleta da Torcida, na qual competiram dez mulheres e dez homens, Fê Garay, do vôlei, desbancou os outros concorrentes na preferência dos fãs e levou a melhor em votação apertada diante do surfista Italo Ferreira. Ambos fizeram campanhas em suas redes sociais, mas a campeã olímpica de Londres-2012 e medalhista de prata nos Jogos de Tóquio ganhou no final e teve 41,52% das escolhas. Foram mais de 400 mil votos, um recorde na história do prêmio. "Eu estou muito feliz por receber esse troféu", disse Fê Garay.

O PBO é organizado pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) desde 1999 e no ano passado não foi realizado por causa da pandemia de covid-19. Desta vez, comemorou a ótima campanha nos Jogos de Tóquio, quando o Time Brasil teve sua melhor participação da história, e também homenageou grandes nomes do esporte nacional e os jovens que fizeram bonito recentemente no Pan-Americano Júnior, em Cali.

A cerimônia teve ainda uma homenagem importante. Janeth dos Santos Arcain, uma das maiores jogadoras de basquete da história, recebeu o Troféu Adhemar Ferreira da Silva. Além disso, quatro ídolos do esportes tiveram a cerimônia de entrada no Hall da Fama: Magic Paula (basquete), Sebastián Cuattrin (canoagem velocidade), Adhemar Ferreira da Silva (atletismo, in memoriam) e Tetsuo Okamoto (natação, in memoriam). “É um reconhecimento individual, mas que reflete toda história de uma geração vencedora”, afirmou Paula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.