Juan Mabromata/AFP
Juan Mabromata/AFP

Itália bate os EUA, vai à final do vôlei masculino e pode enfrentar o Brasil

Última final dos italianos em Jogos Olímpicos foi contra o Brasil, em 2004

Antonio Pita, Estadão Conteúdo

19 Agosto 2016 | 15h42

A Itália garantiu a primeira vaga na final do torneio masculino de vôlei após vencer os Estados Unidos por 3 sets a 2 (30/28, 26/28, 9/25, 25/22 e 15/9). Esta será a terceira final olímpica do país, que busca uma inédita medalha de ouro. A decisão acontece no domingo, às 13h15. O adversário dos italianos será definido nesta noite, no duelo entre Brasil e Rússia. A disputa do bronze ocorre também no domingo, às 9h.

Antes de se garantir na final no Rio, a seleção italiana também disputou o jogo que valeu o ouro nos Jogos de Atlanta, em 1996, e de Atenas, em 2004. Na primeira destas ocasiões, caiu por 3 sets a 2 diante da Holanda naquela que foi a última edição da Olimpíada em que ainda existia a vantagem (uma seleção só podia pontuar quando sacava) e os sets iam até 15 pontos, e não até 25 como hoje.

Já a outra decisão olímpica que a Itália perdeu foi diante do Brasil, na Grécia, onde foi superada por 3 sets a 1 e viu os comandados de Bernardinho chegarem ao bicampeonato dos Jogos, após a conquista anterior do País em Barcelona-1992.

O JOGO - A vitória da Itália demonstrou a capacidade de reação diante da adversidade. Com saques inalcançáveis em momentos decisivos da partida, nos pontos finais do primeiro e quarto set, a equipe conseguiu desequilibrar a seleção norte-americana e forçar a virada. Os Estados Unidos estiveram à frente do placar durante a maior parte do jogo, dominando o jogo a partir da bem montada e segura defesa.

A potência do saque, que não apareceu na maior parte da partida, também foi decisiva no tie-break. A equipe conseguiu abrir quatro pontos de vantagem, o que não aconteceu em todo o jogo. Os principais sacadores foram Osmany Juantorena e Ivan Zaytsev, responsável por um ace no 23º ponto do quarto set, decisivo para a reação italiana.

Apesar da vitória, a Itália tem muitos fundamentos a melhorar para a final. No segundo set, a equipe italiana não repetiu a força do saque e não conseguiu segurar o ataque adversário, com muitas falhas na defesa. A situação piorou no terceiro set, quando os norte-americanos fecharam a parcial com vantagem de 16 pontos - um placar inacreditável para uma semifinal olímpica. A defesa bem posicionada praticamente anulou o potencial ofensivo dos italianos, que, mesmo após mudarem todo o time em quadra, não tiveram criatividade para furar a marcação.

A Itália já tem duas pratas e três bronzes no saldo das suas dez participações em olimpíadas. Após o terceiro lugar em Londres, a equipe chegou ao Rio como uma das favoritas e liderou sem ameaças o Grupo A da primeira fase, o mesmo do Brasil. A equipe só perdeu para o Canadá, na última rodada, quando poupou os principais jogadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.