Itália passa e Brasil precisa torcer contra rivais por vaga olímpica na ginástica

A seleção brasileira feminina de ginástica artística precisa torcer contra todas as suas adversárias para ainda sonhar com a classificação direta aos Jogos Olímpicos do Rio-2016 pelo Mundial de que está sendo disputado em Glasgow (Escócia). Após a apresentação de 12 equipes nesta sexta-feira, o Brasil é sexto colocado, tendo perdido posições para Rússia e Itália após se apresentar.

Estadão Conteúdo

23 de outubro de 2015 | 19h53

A boa notícia é que uma dessas rivais já ficou pelo caminho: a Alemanha, que falhou na trave e no solo e chegou a 219,261 pontos, contra 221,861 do Brasil. A Itália, porém, passou à frente, com 224,452 pontos. A Rússia lidera, seguida de Grã-Bretanha, Itália, Japão e Canadá.

Em sexto, o Brasil está na corda bamba porque fatalmente perderá mais duas posições no sábado, quando China e Estados Unidos, potências da modalidade, se apresentam. Também Coreia do Norte, Coreia do Sul, Bélgica, França, Austrália, Holanda, Grécia, México, Hungria e Suíça vão competir e, dessas, nenhuma pode ultrapassar o Brasil.

Tomando o Mundial de 2014 como referência, a maior preocupação é com a Austrália, que foi oitava colocada naquela competição. A Alemanha, que já está atrás do Brasil, terminou em nono. A Holanda foi 10.ª e a Bélgica 11.ª.

A expectativa era que as brasileiras, que se apresentaram na quarta rotação, pudessem superar Japão (223,863) e Canadá (222,780) para ficar apenas atrás das potências. A equipe liderada por Daniele Hypolito fez boas apresentações no solo, no salto e na trave, mas teve notas baixas nas barras assimétricas. Ainda que não termine o Mundial entre as oito primeiras colocadas, a equipe brasileira ainda pode se classificar aos Jogos do Rio pelo evento-teste da Olimpíada, em abril do ano que vem, quando serão distribuídas outras quatro vagas.

FINAIS

Por enquanto, o Brasil está se classificando para cinco finais. No individual geral, a surpreendente Lorrane Oliveira é sexta colocada, com 56,365 pontos. Flávia Saraiva vem em oitavo, com 55,798. Na trave, Jade caiu para sexto, enquanto Flavinha é sétima. No solo, a caçula é sexta.

"Estou muito feliz por ter acertado tudo, não ter tido nenhuma queda e por ter sido a melhor do Brasil no individual geral. Acho que minha hora chegou e ainda bem que foi no Mundial", comentou Lorrane, de 17 anos, que está no seu primeiro ano na seleção brasileira adulta.

Já Flavinha admitiu que poderia ter feito melhor. "Foi muito legal, mas fiquei um pouco ansiosa. Gostei das minhas séries, mas achei que poderia ter ido um pouco melhor na trave. Espero que com a nossa nota consigamos chegar à final. Vamos ter que conter a ansiedade porque ainda faltam várias equipes", disse.

RESULTADOS DAS BRASILEIRAS:

Solo

Letícia Costa 12,433*

Jade Barbosa 13,433

Lorrane Oliveira 14,066

Daniele Hypolito 13,966

Flávia Saraiva 14,166

Salto

Thauany Araújo 14,166*

Daniele Hypolito 14,300

Flávia Saraiva 14,233

Jade Barbosa 14,833

Lorrane Oliveira 14,766

Assimétricas

Thauany Araújo 12,800

Daniele Hypolito 12,300

Flávia Saraiva 13,266

Jade Barbosa 11,633*

Lorrane Oliveira 13,600

Trave

Thauany Araújo 12,800*

Daniele Hypolito 13,866

Flávia Saraiva 14,133

Jade Barbosa 14,200

Lorrane Oliveira 13,933

*notas descartadas na competição por equipes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.