Italiana naturalizada brasileira se garante no Rio-2016 na esgrima

Nathalie Moellhausen parou de defender a Itália após Londres-2012

Demétrio Vecchioli, Estadão Conteúdo

21 de março de 2016 | 09h16

Nathalie Moellhausen esteve na equipe italiana nos Jogos de Londres, em 2012, e vai voltar à Olimpíada para defender um país diferente no Rio. Neste domingo, a Federação Internacional de Esgrima (FIE) confirmou que, agora competindo pelo Brasil, Nathalie está garantida nos Jogos Olímpicos do Rio na espada.

Neta de brasileiros, Nathalie, de 30 anos, cresceu na Itália e, por aquele país, foi medalhista de bronze no individual no Mundial de 2010. Um ano antes, ganhou o ouro por equipes. Nos Jogos de Londres, entretanto, não foi escolhida para ser uma das três italianas na chave individual e, incomodada, optou por mudar de nacionalidade esportiva.

Como tinha a cidadania brasileira desde nascença, não teve empecilhos para passar a defender o Brasil e logo se tornou a melhor esgrimista do País. Neste domingo, chegou às oitavas de final do Grand Prix de Budapeste, na Hungria, último evento válido para o ranking olímpico.

No 12.º lugar do ranking mundial, garantiu-se com alguma tranquilidade nesta que será sua primeira Olimpíada na chave individual. O Brasil não se classificou por equipes, mas pode optar por usar dois ou três dos seus oito convites para formar um time, que poderia competir só com três atletas - Nathalie e mais duas.

Número 23 do ranking mundial do sabre (17.º com os descartes), Renzo Agresta também fatalmente vai se classificar para os Jogos Olímpicos. Além dos 24 primeiros, classificam-se os dois melhores por continente e ele tem grande folga sobre os rivais. A última competição será o Grand Prix de Seul, no próximo fim de semana.

No florete masculino, o Brasil conquistou uma inédita classificação para ter equipe completa no Rio-2016, o que permite ao País inscrever quatro atletas na competição por equipes e três na chave individual. Ghislain Perrier (em 46.º lugar), Heitor Shimbo (51.º), Guilherme Toldo (53.º) e Fernando Scavasin (137.º) brigam pela convocação.

O Brasil ainda participa do Pré-Olímpico continental, em abril, na Costa Rica, brigando pelas vagas em jogo: uma em cada naipe na espada e no florete e duas por naipe no sabre. Só depois disso é que definirá como vai utilizar seus oito convites.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.