Divulgação
Divulgação

Iziane ainda é dúvida, mas diz que joga a Olimpíada até com uma perna só

Referência da seleção brasileira, ala de 34 anos se recupera de lesão na panturrilha direita

Demétrio Vecchioli, Estadão Conteúdo

01 de agosto de 2016 | 21h40

Principal referência da seleção brasileira feminina de basquete, a ala Iziane ainda é dúvida para a Olimpíada. A veterana, de 34 anos, está se recuperando de uma lesão panturrilha direita e, nesta segunda-feira, no Parque dos Atletas, fez seu primeiro treino com bola em 17 dias. A atividade ainda foi leve para ela, sem contato com as companheiras.

Para não correr risco de agravar ainda mais a lesão, Iziane não vai participar de um jogo-treino contra a Sérvia, atual campeã europeia, na terça-feira de manhã. De acordo com o médico da seleção, Jorge Oliva, a ala está sendo avaliada diariamente.

"Ela respondeu muito bem às duas primeiras semanas de treinamento. Na sexta, já fez movimentos sem dor. A tendência é evoluir. A gente vai avaliando dia a dia. Dependendo da resposta, ela pode estar apta para treinar já esta semana", disse Oliva.

A participação na Olimpíada ainda não é certa, mas o técnico Antonio Carlos Barbosa, ao que parece, não se importa de correr esse risco. "Vai depender do que ela apresentar. Eu acredito que não [será cortada]. Fizemos um trabalho bem racional, com muita calma", avalia Barbosa.

O planejamento é para que Iziane volte a tempo da estreia da seleção brasileira no Olimpíada, sábado à tarde, contra a Austrália, na Arena da Juventude, em Deodoro. Mesmo se ela só puder jogar na segunda rodada, Barbosa prefere mantê-la no grupo. "O campeonato não termina na primeira rodada. Uma jogadora que é titular você tem até que correr riscos."

Já Iziane, que foi cortada da seleção em 2012 já em Londres, depois de ter levado o namorado para o quarto do hotel onde o Brasil estava hospedado, desta vez nem cogita ficar fora dos Jogos Olímpicos. "Nem que eu jogue com uma perna só, mas eu vou jogar essa Olimpíada", garante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.