Frank Fife/AFP
Frank Fife/AFP

Jogos da madrugada na Olimpíada 2020: Brasil conquista a 6ª medalha em Tóquio com Mayra Aguiar

Confira os principais destaques da madrugada olímpica em Tóquio nesta quinta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2021 | 07h06

Mais um dia histórico para o Brasil na Olimpíada 2020. A judoca Mayra Aguiar conquistou o bronze na categoria até 78kg em Tóquio ao bater a sul-coreana Hyunji Yoon com um ippon. Com a terceira colocação no pódio, a brasileira alcançou sua terceira medalha em três edições seguidas dos Jogos Olímpicos. Antes, ela foi bronze em Londres-2012 e Rio-2016.

A judoca perdeu nas quartas de final pela alemã Anna-Maria Wagner, número 3 do mundo, em luta decidida no golden score. Na repescagem, venceu disputa equilibrada contra Aleksandra Babintseva, do Comitê Olímpico Russo (ROC). A adversária, porém, recebeu três shidos por fugir do combate e Mayra foi declarada vencedora.

Confira outros resultados da madrugada olímpica

​Canoagem slalom

Com sabor agridoce, Ana Sátila fez história na capital japonesa ao conquistar o melhor resultado de uma mulher brasileira na canoagem slalom em Olimpíadas. Por outro lado, o décimo lugar na final do C-1 veio após dois erros cometidos na decisão da modalidade. Na reta final do trajeto, a atleta perdeu um dos portões e foi penalizada com 50 segundos, terminando a prova na última colocação, com 164s71

A medalha de ouro ficou com a australiana Jessica Fox, com 105s04, que era a grande favorita. A prata foi para a britânica Mallory Franklin, com 108s68. E o bronze ficou com a alemã Andrea Herzog, com 111s13.

Natação

O americano Caeleb Dressel conquistou o ouro nos 100 metros livre, a prova mais tradicional da natação. Foi a primeira medalha individual da estrela dos EUA, registrando, de quebra, o novo recorde olímpico da distância ao completar a prova em 47s02. A prata ficou com o australiano Kyle Chalmers, campeão da prova no Rio-2016 , com 47s08. O bronze foi para o russo Kliment Kolesnikov, com 47s44.

Na final dos 200m peito, o australiano Izaac Stubblety-Cook se sagrou campeã olímpico ao anotar 2min06s38. A prata foi para o holandês Arno Kamminga, com 2min07s01, seguido do finlandês Matti Mattsson, medalhista de bronze, com 2min07s13.

No feminino, a China conquistou seu primeiro ouro na natação. Yufei Zhang foi a responsável pelo feito nos 200m borboleta, com 2min03s86, novo recorde olímpico. Exibindo grande performance, ela venceu com mais de um corpo de vantagem. As americanas Regan Smith e Hali Flickinger completaram o pódio com prata e bronze, respectivamente, com os tempos de 2min05s30 e 2min05s65.

No revezamento 4x200m livre, a equipe chinesa bateu o segundo recorde mundial da natação nesta Olimpíada ao vencer a prova em 7min40s33. A medalha de prata foi para os Estados Unidos, com 7min40s73. Favoritas ao ouro, o time australiano não atendeu às expectivas e ficou com o bronze, realizando a disputa em 7min41s29

Remo

Único representante do Brasil no remo em Tóquio, Lucas Verthein, de 23 anos, terminou em quinto lugar na semifinal da categoria single skiff e vai competir na final B, que define do sétimo ao 12º lugar, findando as chances de medalha para o País na modalidade. Apesar do resultado, essa foi a melhor participação brasileira na categoria na história dos Jogos Olímpicos. 

Handebol

seleção brasileira feminina de handebol conheceu seu primeiro revés na Olimpíada. O Brasil fez um bom jogo, mas foi derrotado pela Espanha por 27 a 23, muito graças à atuação espetacular da experiente goleira Navarro, o grande destaque da partida no Yoyogi National Stadium. Mesmo com o resultado, o time brasileiro soma três pontos no Grupo B e segue na zona de classificação para as quartas de final. Antes, a equipe havia empatado com as russas na estreia e vencido a Hungria no jogo seguinte

Ciclismo BMX

As semifinais do ciclismo BMX terão um representante brasileiro na disputa masculina em Tóquio. Renato Rezende, de 30 anos, garantiu a classificação ao ficar com o terceiro lugar de sua bateria nas quartas de final, atrás dos holandeses Twan Van Gendt e Niek Kimmann, que revezaram nas dobradinhas de primeiro e segundo durante toda a prova.

Priscilla Carnaval, tetracampeã brasileira da modalidade, não conseguiu repetir o feito da Rio-2016, quando avançou às semifinais. A ciclista de 27 anos terminou todas as corridas de sua bateria na sexta colocação, ficando em sexto lugar na classificação geral. Deste modo, acabou eliminada. 

Rúgbi

seleção brasileira feminina de rúgbi estreou com dura derrota nos Jogos de Tóquio. Dominado, o Brasil perdeu por 33 a 0 para o Canadá, atual medalhista de bronze e apontado como um dos favoritos, no Estádio Olímpico. A equipe volta a campo contra a França. No mesmo dia, às 21h, as Yaras, como é conhecida a equipe feminina do País, definem seu destino na competição contra a seleção de Fiji, último jogo da fase classificatória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.