Wander Roberto/COB
Wander Roberto/COB

Jogos da madrugada na Olimpíada 2020: Rayssa Leal faz história e brasileiros avançam no surfe

Confira os principais destaques da madrugada olímpica em Tóquio

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2021 | 06h37

Um dia após a conquista das duas primeiras medalhas para o Brasil, a madrugada na Olimpíada de Tóquio reservou mais um grande momento para o nosso País. Rayssa Leal, de apenas 13 anos, confirmou o favoritismo brasileiro no skate e ficou com a prata na modalidade street. Ela se tornou a competidora mais jovem a conquistar o pódio na história dos jogos olímpicos. O ouro e o bronze ficaram com as japonesas Momiji Nishiya e Funa Nakayama, respectivamente. Letícia Bufoni e Pâmela Rosa caíram na fase classificatória. 

No surfe, mais um show brasileiro na bateria classificatória para as quartas de final. Em disputa acirrada, Gabriel Medina superou o australiano Julian Wilson por 14,33 a 13,00 e enfrenta o francês Michel Bourez na próxima fase. Ítalo Ferreira, por sua vez, passou com facilidade pelo neozelandês Billy Stairmand, vencendo por 14,54 a 9,67.

Pelo feminino, a dobradinha não será repetida na próxima faseSilvana Lima avançou às quartas de final ao vencer a portuguesa Teresa Bonvalot por 12,17 7,5. Por outro lado, Tatiana Weston-Webb, que tinha mais chances de medalha, foi eliminada. A atual número quatro do ranking da temporada no Circuito Mundial foi superada pela japonesa Amuro Tsuzuki por 10,33 a 9,00. 

Confira outros destaques da madrugada olímpica de Tóquio

Mountain bike

Na categoria cross-countryHenrique Avancini não conquistou o resultado que desejava ao cruzar a linha de chegada em 1h28min09s, ficando no 13º lugar. Entretanto, seu resultado representa a melhor colocação do Brasil na história da modalidade nos Jogos Olímpicos, superando o 18º posto de Jaqueline Mourão, obtida em Atenas-2004. 

O ouro foi conquistado pelo jovem britânico Thomas Pidcock, de 21 anos, que dominou completamente a prova e fechou o percurso em 1h25min04s. o suíço Mathias Flückiger levou a prata, chegando 20 segundos atrás do campeão, e o bronze foi para o espanhol David Valero Serrano. Outro competidor do Brasil na disputa, Luiz Henrique Cocuzzi e terminou a corrida em 27º.

Võlei de praia

Candidatas a medalha de ouro, as brasileiras Ana Patrícia e Rebecca estrearam com vitória no vôlei de praia. A dupla derrotou as quenianas Makokha e Khadambi por 2 sets a 0, com parciais de 21/15 e 21/09, em 31 minutos de jogo. Com o triunfo, o Brasil encerra com aproveitamento de 100% a primeira rodada do vôlei de praia. Antes de Ana Patrícia e Rebecca, venceram seus jogos de estreia Ágatha e Duda, Bruno Schmidt e Evandro, e Alison e Álvaro. Com exceção de Bruno e Evandro, as demais duplas brasileiras lideram seus grupos.

Vela

Os velejadores brasileiros Robert Scheidt e Patrícia Freitas reagiram nesta segunda-feira e subiram nas classificações das classes Laser e RS:X, respectivamente. Lenda do esporte olímpico, Scheidt obteve um quarto lugar e subiu para o 8º lugar nas disputas realizadas na Baía de Enoshima. A liderança está com finlandês Kaarle Tapper, que perdeu 19 pontos, seguido do croata Tonci Stipanovic, com 24, e do cipriota Pavlos Kontides, com 16. 

Já Patrícia ocupa o 11º lugar geral, com 64 pontos perdidos, após seis regatas disputadas. Nas três prova realizadas nesta segunda, ela ficou em 11º, 12º e 10º lugares. Até agora seu melhor resultado aconteceu na terceira regata, no domingo, com o quarto lugar. Antes terminou em 13º e 14º nas duas primeiras disputadas da classe A liderança da prova está com a francesa Charlie Picon, com 23 pontos perdidos até agora. 

Tae kwon do

A brasileira Milena Titoneli  vai disputar a repescagem na categoria até 67 quilos no tae kwon do. Após perder para a croata Mate Jelic, na segunda rodada, a atleta do País foi favorecida pelo fato de a algoz seguir na competição e atingir a semifinal. A luta acontece às 7h desta segunda-feira. 

No masculino, Ícaro Miguel não teve a mesma sorte e terminou eliminado na primeira rodada, ao perder para o italiano Simone Alessio, após o juiz paralisar o combate, quando o lutador europeu vencia por 22 a 9. Ícaro não prosseguiu na competição até a repescagem porque Alessio perdeu na segunda luta para o egípcio Seif Eissa por 6 a 5.

Tênis

Uma das principais candidatas ao ouro, Naomi Osaka venceu mais uma na madrugada desta segunda-feira. Disputa a Olimpíada em casa, a tenista parece se sentir cada vez mais confortável na competição. Com boa apresentação, ela derrotou a suíça Viktorija Golubic, 50ª do mundo, por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/2, em apenas 1h05min. 

Nas oitavas, a responsável por acender a pira olímpica vai enfrentar a checa Marketa Vondrousova, algoz da romena Mihaela Buzarnescu por fáceis 6/1 e 6/2. Atual 42ª do ranking, Vondrousova foi vice-campeã em Roland Garros em 2019.

Judô

A segunda-feira foi curta para o judô brasileiro em Tóquio. Eduardo Katsuhiro Barbosa foi eliminado na primeira rodada da categoria leve (até 73 kg), ao perder para o francês Guillaume Chaine no golden score, com uma chave de braço, após empate no tempo normal. O Brasil não teve representante no feminino.

Esgrima

O esgrimista Guilherme Toldo se despediu logo em sua estreia na Olimpíada. O brasileiro de 28 anos perdeu para o japonês Toshiya Saito por 15 a 10, em um duelo tumultuado na modalidade florete.

No decorrer do confronto, o gaúcho voltou a enfrentar problemas técnicos. Chegou a reclamar com os juízes antes de paralisar a disputa para trocar novamente o florete. O brasileiro começou atrás no placar, mas reverteu a vantagem e virou. No entanto, Saito se recuperou rapidamente, buscou nova reviravolta no confronto e acabou vencendo

Natação

As finais da natação também não foram satisfatórias para os brasileiros. Guilherme Guido parou na semifinal dos 100m costas e o revezamento 4x100 metros livre foi o oitavo e último colocado na final. A boa notícia foi a classificação de Fernando Scheffer à final dos 200 metros livre.

No revezamento, o Brasil foi representado por Breno Correia, Pedro Spajari, Gabriel Santos e Marcelo Chierighini. Quase todos nadaram com tempos acima das prévias. O time nacional terminou a disputa com o tempo de 3min13s41, quase um segundo mais lento que nas eliminatórias: 3min12s59.

O tempo dos brasileiros foi cinco segundos mais lento que os americanos, que faturaram o ouro, sob o comando de Caeleb Dressel. Não conquistaram o recorde mundial, apesar da alta expectativa, mas anotaram o terceiro melhor tempo da história, com 3min08s37. A Itália levou a prata, com 3min10s11, enquanto a Austrália ficou com o bronze, com 3min10s22.

Nas demais disputas de medalha do dia, o britânico Adam Peaty se sagrou bicampeão olímpico nos 100 metros peito ao vencer a prova com o tempo de 57s37. Dominante neste estilo nos últimos anos, ele é o atual recordista olímpico e mundial. A prata ficou com o holandês Arno Kamminga (58s00) e o italiano Nicolo Martinenghi (58s33) levou o bronze.

Pela disputa feminina, A americana Katie Ledecky foi superada nos 400 metros livre pela australiana Ariarne Titmus, que marcou 3min56s69. Ledecky precisou se contentar com a prata pela primeira vez em sua carreira em uma prova individual em Olimpíadas, com 3min57s36. A chinesa Bingjie Li levou o bronze, com 4min01s08.

Nos 100 metros borboleta, a canadense Margaret Macneil faturou o ouro, com 55s59. A chinesa Yufei Zhang levou a prata, com 55s64, e a australiana Emma McKeon ficou com o bronze, com 55s72.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.