Mike Blake/Reuters
Mike Blake/Reuters

Jogos da madrugada na Olimpíada 2020: Rebeca Andrade é ouro no salto; vôlei masculino vai às quartas

Confira os principais destaques da madrugada olímpica em Tóquio

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2021 | 06h52

A madrugada deste domingo foi de fortes emoções para a torcida brasileira na Olimpíada de Tóquio. A ginasta Rebeca Andrade fez mais uma grande exibição, desta vez na final do salto, e conquistou a medalha de ouro, tornando-se a primeira mulher do Brasil a conquistar dois pódios na mesma edição dos Jogos Olímpicos. Anteriormente, ela havia conquistado a prata na decisão do individual geral. O Brasil não tinha medalhas no time feminino. Saltou de zero para duas.

Uma das primeiras a se apresentar, Rebeca fez dois saltos brilhantes, um de 15.166 e outro de 15.000, alcançando a média de 15.083. Em seguida, apenas assistiu suas adversárias tentarem bater sua marca, mas sem sucesso. Mykayla Skinner, dos Estados Unidos, alcançou 14.916 de média e ficou com a prata, enquanto a sul-coreana Seojeong Yeo ficou na terceira colocação ao fazer 14.733.

No vôlei masculino, o Brasil derrotou a França por 3 sets a 2 com parciais de 25/22, 37/39, 25/17, 21/25 e 20/18, após 2h50 de partida. Wallace, Lucarelli e Lucão foram os destaques do jogo. Com o resultado, a seleção fechou sua participação no Grupo B com três vitórias (Tunísia, Argentina e França) e uma derrota, para a Rússia. 

Caso o Brasil confirme a vice-liderança do grupo, a equipe comandada por Renan Dal Zotto pega o terceiro colocado do outro lado da chave, que será Japão ou Irã, ainda neste domingo, dia 1 de agosto. 

Confira outros destaques da madrugada olímpica

Natação

No último dia da natação em Tóquio, o americano Caeleb Dressel, forte candidato a estrela dos Jogos, não decepcionou e subiu duas vezes ao lugar mais alto do pódio, conquistando seu 5º ouro na capital japonesa. O nadador se tornou campeão olímpico dos 50 metros livre, com novo recorde olímpico (21s07), desbancando a marca que era do brasileiro Cesar Cielo (21s30 em Pequim-2008). Bruno Fratus levou o bronze na prova e festejou muito, inclusive com um beijo em sua mulher e treinadora.

No revezamento 4x100 metros medley, Dressel contribuiu decisivamente para estabelecer o novo recorde mundial da equipe dos EUA, com 3min26s78, melhorando a marca que já era dos americanos (3min27s28, no Mundial de Roma-2009). A prata foi para a Grã-Bretanha (3min27s51) e o bronze, para os italianos (3min29s17). 

Vôlei de praia

Ana Patrícia e Rebecca, classificadas como um dos dois melhores lugares na fase de classificação, passaram pelas então invictas chinesas Wang e Shia por 2 sets a 0, com parciais de 21/14 e 23/21, e garantiram vaga às quartas de final. O resultado marca a superação da dupla na competição, já que na fase classificatória, as brasileiras acumularam duas derrotas, mas avançaram com uma vitória e quatro sets vencidos. 

Atletismo

Nenhum brasileiro avançou nas baterias classificatórias do atletismo neste domingo. Atual campeã sul-americana dos 3000 metros com obstáculos, Tatiane Raquel da Silva terminou em nono lugar, com o tempo de 9m36s43. Apesar de não passar de fase, a atleta de 31 anos bateu o recorde nacional, por dois segundos, de Juliana dos Santos, conquistado na Rio-2016. Na mesma prova, Simone Ferraz foi a 14ª e última colocação, com 10min00s92. 

Nos 400 metros, Lucas Carvalho fez a corrida em 46s12, o 32º tempo da classificação geral, e ficou com a sétima colocação. Já no salto em distância feminino, Eliane Martins fez 6,43m e baixou para 6,38m na sequência, ficando apenas em 17º lugar, fora da disputa por medalha. 

Vela

Robert Scheidt, maior medalhista do Brasil na história da Olimpíada ao lado de Torben Grael, se despediu de Tóquio sem medalha. O experiente velejador, de 47 anos, terminou a "medal race" na nona colocação e ficou em oitavo na classificação geral na classe Laser na Baía de Enoshima, dando fim ao sonho do sexto pódio olímpico em sua vitoriosa e longeva carreira. Ele tem 48 anos. 

O australiano Matt Wearn, que já havia garantido o título antes de velejar na regata final, levou o ouro, o croata Stipanovic Tonci ficou com a prata e Hermann Tomasgaard, da Noruega, faturou o bronze. 

Hipismo

hipismo do Brasil perdeu posições e caiu na classificação geral do Concurso Completo de Equitação (CCE) neste domingo. Na disputa do cross-country, os cavaleiros brasileiros e suas montarias levaram o time do 11º para o 12º posto, com 335,20 pontos sofridos em penalidades. 

Tênis de mesa

seleção feminina de tênis de mesa do Brasil estreou na disputa por equipes neste domingo e não conseguiu avançar de fase. A eliminação veio após derrota por 3 a 1 para Hong Kong, no Ginásio Metropolitano de Tóquio, em jogo válido pelas oitavas de final.

Luta olímpica

Representantes do Brasil na luta olímpica em Tóquio, Aline Silva e Eduard Soghomonyan foram superados logo nas oitavas de final, rodada de estreia da modalidade, e acabaram eliminados. Havia esperança de que ao menos um deles voltasse para a disputa, pois, conforme as regras, os atletas derrotados pelos finalistas ganham direito a repescagem, mas os algozes dos brasileiros foram eliminados na fase seguinte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.