Jornalistas estrangeiros denunciam agressões na China

Clube de Correspondentes Estrangeiros de Pequim alerta para a falta de liberdade para a imprensa

Ansa

02 de janeiro de 2008 | 19h02

Apesar das novas leis para proteger a liberdade de imprensa na China durante os Jogos Olímpicos de Pequim, jornalistas estrangeiros afirmam que sofreram intimidações e agressões ao longo do ano passado no país.   Um documento difundido nesta quarta-feira pelo Clube de Correspondentes Estrangeiros de Pequim alertou sobre os problemas que os jornalistas de outros países ainda enfrentam.   "Estamos particularmente preocupados pelas repetidas violações à liberdade de imprensa e expressão em Pequim e na região de Hebei", afirmou a presidente da associação de correspondentes, Melinda Liu, que avisou que também foram detectadas agressões físicas contra os repórteres.   Novas medidas para facilitar o trabalho de jornalistas visitantes foram tomadas pelo governo local no ano passado e estarão em vigor até o final dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, para atletas com problemas físicos. Os eventos esportivos devem atrair 20 mil jornalistas à China.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.