Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Judô prepara passagem para nova geração nos Jogos do Rio

Rafael Silva, Tiago Camilo e Felipe Kitadai ajudam a formar novos atletas

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2016 | 05h00

O judô, uma das grandes esperanças de medalha nos Jogos Olímpicos, prepara uma troca simbólica de gerações no Rio. Os medalhistas Tiago Camilo, Rafael Silva e Felipe Kitadai aproveitam a experiência das conquistas anteriores para ajudar na formação dos novatos Charles Chibana, Alex Pombo, Victor Penalber e Rafael Buzacarini, estreantes na Olimpíada.

“Além dos treinos, a gente conversa bastante. É uma forma de passar nossa experiência”, diz Rafael Silva, o Baby, que busca subir ao pódio novamente depois da primeira medalha dos pesos pesados para o judô brasileiro com o bronze em Londres-2012.

Não se trata apenas de uma “passagem de bastão” dos mais velhos aos mais jovens – Tiago Camilo, dono de duas medalhas (prata em Sydney-2000 e bronze em Pequim-2008), vai encerrar a carreira no Mundial de Budapeste, no ano que vem. O que conta principalmente é compartilhar a experiência olímpica. Kitadai, por exemplo, tem apenas 26 anos, mas já ganhou bronze em Londres. Contar o que viveu nos Jogos é fundamental, dizem os judocas. “A Olimpíada é um torneio particular. Ainda mais no Brasil. Tentamos ajudar principalmente no lado psicológico”, diz Camilo.

Aos 34 anos, o judoca pode se tornar o primeiro a conquistar três pódios olímpicos em categorias diferentes. Ele foi prata em Sydney-2000 na categoria leve; em seguida, levou o bronze em Pequim-2008 nos meio-médios. No Rio-2016, vai lutar na categoria médio. “Isso é o ciclo do esporte e da vida. Se hoje estou fazendo papel de exemplo, os judocas da nova geração vão fazer a mesma coisa no futuro”, diz Camilo, que vai disputar sua quarta Olimpíada.

Chibana, um dos judocas mais técnicos da nova geração e com boas chances de medalha, afirma que uma geração sempre ajuda na formação da próxima. “Isso vem desde o Aurélio (Miguel, ouro em Seul-1988 e bronze em Atlanta-1996) e estamos colhendo os frutos”.

O judô é a segunda modalidade brasileira mais premiada na história dos Jogos com 19 medalhas – o vôlei é o campeão com 20. Rafael Silva afirma que a principal maneira de o judô continuar no topo é continuar transformando os campeões em treinadores.

Ele cita o exemplo de Rogério Sampaio, ouro em Barcelona-1992 e técnico do medalhista Leandro Guilheiro antes de assumir o comando da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.