Reproducao/IFJ
Reproducao/IFJ

Judoca argelino desiste da Olimpíada de Tóquio por causa de rival de Israel; relembre outros casos

Abandono do lutador Fethi Nourine, em apoio à Palestina, representa mais um episódio do histórico conflito entre árabes e israelenses no esporte

Redação, O Estado de S. Paulo

23 de julho de 2021 | 11h12

A recusa do judoca argelino Fethi Nourine de não querer fazer uma possível luta com o israelense Tohar Butbul na Olimpíada de Tóquio, em favor e pelos motivos da causa Palestina, é mais um capítulo do confronto entre esses dois países que entrou para o mundo esportivo há 49 anos. Portanto, não é a primeira vez.

Em 5 de setembro de 1972, durante os Jogos de Munique, o grupo terrorista palestino "Setembro Negro" atacou a delegação israelense, causando a morte de 17 pessoas: cinco atletas de Israel. O atentado ficou conhecido como "Massacre de Munique" e transformou os métodos de segurança nas edições olímpicas, assim como acirrou os sentimentos entre palestinos e israelenses. Filmes foram feitos sobre esse episódio.

Em 1996, a Palestina passou a disputar os Jogos Olímpicose ódio entre os dois povos foi para dentro das quadras, piscinas e pistas. O caso Nourine x Butbul não foi o primeiro de intolerância entre os países que vivem em conflito na região por posse do território mais acirrado desde 1948 no fim do século 20, quando foi declarada a criação do Estado de Israel.

Em 2004, o judoca meio-leve iraniano Arash Miresmaeili, porta-bandeira de sua delegação e favorito ao ouro olímpico, foi excluído dos Jogos de Atenas por se negar a enfrentar na primeira rodada de sua categoria o israelense Ehud Vaks. Em 2011, no Campeonato Mundial de Luta Olímpica, em Istambul, o medalhista de bronze no estilo greco-romano até 96kg, na edição de 2007, o iraniano Rezaei, não apareceu para a luta de estreia contra Robert Avanesyan, de Israel.

Nos 55kg, Mohsen Hajipour, do Irã, campeão asiático, perdeu, de propósito, seu combate com Donior Islamov, da Moldávia, na estreia somente porque não aceitou seguir na disputa. Ele sabia que o vencedor lutaria com o israelense Vladimir Tsaryuk.

Em julho ainda de 2011, no Mundial de Natação, em Xangai, o iraniano Mohammed Ali Rezaei se recusou a cair na piscina para disputar a mesma bateria que tinha o israelense Gal Nevo. Oficialmente, a delegação do Irã justificou que seu atleta estaria doente. Foi a mesma explicação quando o nadador não competiu nos Jogos Olímpicos de 2008 e no Mundial de 2009 em baterias com israelenses.

Por causa desses casos de 2011, o Comitê Olímpico Internacional (COI) reuniu os Comitês Olímpicos Nacionais de Israel e Palestina para "selar a paz" nas vésperas da disputa da Olimpíada de Londres/2012. Três anos depois foi a vez de a Fifa tentar um acordo entre os povos rivais no futebol, mas também sem sucesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.