Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Judoca Rafaela Silva conquista o primeiro ouro do Brasil no Rio-2016

Carioca derrota Sumiya Dorjsuren, da Mongólia, na categoria até 57 kg, e contagia a Arena Carioca 2

Ciro Campos, Marcio Dolzan e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2016 | 17h14

O Brasil finalmente chegou ao lugar mais alto do pódio nesta edição dos Jogos Olímpicos de Janeiro. Nesta segunda-feira, a judoca Rafaela Silva superou Sumiya Dorjsuren, da Mongólia, na categoria até 57 kg e garantiu o primeiro ouro do Brasil na competição. Além dela, Felipe Wu também obteve uma medalha, a de prata, no sábado, no tiro esportivo.

A festa pela conquista na Arena Carioca 2 foi grande e emocionante até porque Rafaela é nascida no Rio de Janeiro e cresceu na Cidade de Deus, uma comunidade carente na zona oeste que fica a poucos quilômetros do Parque Olímpico. Tanto que muitos amigos e familiares estiveram no ginásio para ver a judoca da casa em ação e vibrar com cada golpe.

A Cidade de Deus também fica próxima de um dos núcleos do Instituto Reação, comandado pelo ex-judoca Flávio Canto, e local onde a agora medalhista olímpica aprendeu a competir desde pequena. Aos poucos a paixão pelo futebol foi dando espaço para o judô, pois era nítido o potencial dela nos tatames.

Aos 24 anos, ela supera com essa medalha a frustração nos Jogos de Londres-2012, quando poderia ter chegado ao pódio, mas foi desclassificada na primeira luta, justamente diante da húngara que ela eliminou agora nas quartas de final. No currículo, Rafaela tem o título mundial de 2013, conquistado também no Rio, além de uma prata no Mundial de Paris, em 2011.

O pódio veio no terceiro dia de disputas da modalidade, após outros judocas brasileiros terem chegado perto, sem sucesso. No sábado, Sarah Menezes e Felipe Kitadai, que tinham conquistado medalhas em Londres-2012, ficaram pelo caminho na repescagem. No dia seguinte, Charles Chibana perdeu em sua primeira luta e Érika Miranda ficou a uma vitória do bronze.

 

 

 

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) tem como meta, no mínimo, repetir as quatro medalhas dos Jogos de Londres, de preferência melhorando qualitativamente. Ainda faltam lutar atletas cotados para o pódio, como Victor Penalber, Mayra Aguiar, Tiago Camilo, Maria Suellen Altheman e Rafael Silva, o Baby. Nesta terça-feira, Mariana Silva e Victor Penalber representarão o País.

CAMPANHA

Em sua primeira luta, Rafaela gastou apenas 46 segundos para despachar a alemã Myriam Roper por ippon. Na sequência, foi melhor ainda diante da sul-coreana Kim Jan-Di, segunda colocada no ranking mundial. Acertou um wazari perto do fim e administrou o resultado. Já nas quartas de final ganhou da húngara Hedvig Karakas com mais um wazari.

O combate da semifinal contra a romena Carina Caprioriu foi equilibrado e, com um shido para cada lado no tempo normal, a disputa foi para o golden score. O árbitro chegou a dar a vitória dela com 39 segundos, mas depois voltou atrás. O público passou a incentivar ainda mais e a vaiar a arbitragem. No final, Rafaela mostrou raça e conquistou uma bela vitória.

Depois enfrentou Sumiya Dorjsuren na final. A atleta da Mongólia vinha de bons resultados, mas Rafaela entrou determinada a vencer em sua cidade. Com pouca ação, as duas tomaram um shido cada. Na sequência Rafa acertou um lindo wazari, levou o combate até o final e se tornou campeã olímpica.

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.