Juliana diz estar 100% mas presença na Olimpíada é incerta

Menos de um mês após ter visto osonho de disputar a Olimpíada desabar ao sofrer uma grave lesãono joelho, Juliana garante estar 100 por cento em forma parabrigar pela medalha de ouro no vôlei de praia em Pequim, aolado de Larissa. Apesar de ter voltado esta semana a treinar em Fortaleza aolado da parceira, com quem conquistou três títulos mundiais em2005, 2006 e 2007, Juliana ainda não tem certeza se conseguirádisputar os Jogos Olímpicos do próximo mês. A rotina de 16 horas diárias de recuperação colocou ajogadora em boas condições, mas a decisão final será tomadaapenas às vésperas dos Jogos, que começam em 8 de agosto. "Eu estou 100 por cento", disse Juliana em entrevistacoletiva, na qual foram exibidos vídeos da recuperação dajogadora, em que ela aparece saltando, correndo e treinando combola. "Fui do céu ao inferno em 24 horas. Ver tudo que nósconstruímos nos últimos 4 anos desabar foi difícil. Tenhomatado um leão a cada dia. Hoje a palavra da Juliana ésuperação", acrescentou a jogadora, de 25 anos, que também foimedalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, noano passado. Classificadas para os Jogos de Pequim como dupla número 3do ranking olímpico, as atuais campeãs do mundo sofreram omaior susto da carreira no dia 18 de junho, quando Juliana caiude mal jeito durante a etapa francesa do circuito mundial, emParis, e machucou o joelho direito. O rompimento do ligamento cruzado, a mesma contusão queafastou o atacante Ronaldo dos gramados por vários meses, é umalesão que quase sempre obriga o atleta a ser operado. MasJuliana, após consultar cinco médicos diferentes, optou portentar a recuperação sem passar pela cirurgia, com a esperançade poder disputar a Olimpíada. Se fosse operada, ela não teria tempo para voltar a jogarantes dos Jogos. A luta agora é para não sofrer nenhuma sequelada contusão até Pequim. "A minha parceira oficial é a Juliana", afirmou Larissa, de26 anos. "No momento ela está apta e nós vamos disputar osJogos Olímpicos. Mas nós sabemos da nossa responsabilidade,vamos ser honestas, se estiver bem, ela vai jogar, se nãoestiver bem, não vai", acrescentou. De acordo com Larissa, a decisão sobre a participação deJuliana será tomada em conjunto pelas atletas, a comissãotécnica da dupla e a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Asduas serão inscritas no torneio olímpico, mas é possível fazera substituição, em caso de lesão, até a véspera da abertura daOlimpíada. Apesar de se dizer totalmente recuperada, Juliana sabe queainda sofre com certo desequilíbrio decorrente da contusão. Sefor confirmada nos Jogos de Pequim, ela precisará jogar com umajoelheira de fibra de carbono, feita sob medida nos EstadosUnidos para a jogadora. Segundo o fisioterapeuta Jullius Queiroz, responsável pelotratamento da dupla, a recuperação está tendo um bom resultadopela determinação da atleta. Entre os procedimentos, a cearensefaz também exercícios na piscina e pilates. Sobre a joelheira, que só passou a ser usada por Juliananos treinamentos esta semana, ela afirmou que o incômodo serásuperado pela vontade de estar em Pequim. "A joelheira não é o que eu queria, mas é o que me cabe,então é o que eu vou fazer", afirmou. "O que me incomodariaseria ficar em casa vendo a Larissa jogar pela televisão."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.