Fábio Motta / Estadão Conteúdo
Fábio Motta / Estadão Conteúdo

Justiça Federal interdita todas as instalações olímpicas do Rio

Locais não possuem documentos do Corpo de Bombeiros e da Prefeitura do Rio que atestem condições adequadas de segurança

Fábio Grellet/RIO, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2020 | 20h22

A Justiça Federal determinou nesta quarta-feira (15) a interdição de todas as instalações olímpicas do Rio de Janeiro, em até 48 horas, por falta de documentos do Corpo de Bombeiros e da Prefeitura do Rio que atestem condições adequadas de segurança nesses locais. A decisão foi emitida pelo juiz Eugênio Rosa de Araújo, da 17ª Vara Federal do Rio, a pedido do Ministério Público Federal (MPF). Deve vigorar até que sejam fornecidos o laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros e o “habite-se” da prefeitura.

Para o MPF, os equipamentos usados na Olimpíada de 2016 estão em “estado de abandono” e não podem ser usados sem “as licenças que atestam os requisitos de segurança dos locais”. Já houve uma decisão judicial ordenando que a Prefeitura do Rio e a Empresa Municipal de Urbanização (RioUrbe), responsáveis pelos equipamentos, providenciassem a documentação relativa às instalações olímpicas. Entre elas, estão laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros, “habite-se” e certidões negativas. Apesar disso, “não há informações de que os documentos tenham sido providenciados”, segundo o MPF. O magistrado atendeu ao pedido.

“Enquanto isso, regularmente são realizados eventos de grande apelo, principalmente no Parque Olímpico da Barra da Tijuca (zona oeste), como shows e festivais, que recebem milhares de pessoas. Esse cenário, composto por locais progressivamente castigados pela falta de cuidado e pela presença de milhares de pessoas, se coloca de prontidão para a ocorrência de tragédias”, escreveu o juiz Araújo. Diante da inexistência de medidas alternativas e visando à preservação da segurança da população, determino a imediata interdição das instalações olímpicas, no prazo de 48 horas, até ulterior deliberação deste Juízo.”

Além do Parque Olímpico da Barra, a medida abrange as instalações de Deodoro, também na zona oeste, e todas as demais construídas para a Olimpíada. Em nota, a Prefeitura do Rio informou apenas que vai recorrer da decisão, por meio da Procuradoria Geral do Município.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.