CBDA|Divulgação
CBDA|Divulgação

Kaio Márcio faz índice para ir à quarta Olimpíada nos 200m borboleta

Paraibano foi finalista nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008

Estadão Conteúdo

17 de abril de 2016 | 11h29

Finalista dos Jogos de Pequim, em 2008, Kaio Marcio está perto de mais uma Olimpíada, a quarta da sua carreira. O paraibano alcançou o índice olímpico nos 200 metros borboleta nas eliminatórias do terceiro dia de disputas do Troféu Maria Lenk, evento-teste do Estádio Aquático Olímpico. Larissa Oliveira se qualificou para os 200m livre, prova que promete disputa acirrada na final, à tarde.

Kaio Marcio, do Minas Tênis Clube, é o segundo brasileiro com índice nos 200m borboleta. Ele foi o mais rápido das eliminatórias, nesta manhã, com 1min56s40, nadando abaixo da marca necessária: 1min56s97. No Torneio Open, em dezembro, na primeira seletiva da natação brasileira, o corintiano Leonardo de Deus já havia garantido o índice, com 1min56s14.

Desta vez, Leonardo de Deus fez só o quinto tempo das eliminatórias. Vinicius Lanza, do Minas, prata nos 100m borboleta no Mundial Júnior do ano passado, também se aproximou do índice, ficando a 0s21. O mesmo vale para Luiz Altamir Melo, do Flamengo, que terminou a 0s27 da marca necessárias.

ELAS

A concorrência também é fortíssima nos 200m livre. Larissa Oliveira foi a mais rápida da manhã, com 1min58s52. Baixou em 0s01 seu recorde pessoal e alcançou o índice para os Jogos Olímpicos, que é 1min58s96. Juntou-se a Manuella Lyrio, também do Pinheiros, que havia feito 1min58s43 no Open.

Manu se poupou demais nas eliminatórias deste domingo e ficou inclusive fora da final A. O mesmo fez Joanna Maranhão, que também vai ter que nadar a final B, realizada minutos depois da final principal. Além das duas, também Jéssica Cavalheiro (1min59s43 nas eliminatórias) e Gabrielle Roncatto (2min00s06), Rafaela Raurich (2min00s60) e Maria Paula Heitmann (2min00s67) brigam pelo índice e, principalmente, por compor o revezamento 4x200m livre.

Joanna Maranhão também nada a final dos 200m medley, para a qual ele já tem índice. Nas eliminatórias, se poupou e, mesmo assim, venceu com boa folga sobre as demais brasileiras. Essa prova dificilmente terá outros índices.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.