REUTERS/Eloisa Lopez
REUTERS/Eloisa Lopez

Kamila Valieva cai na final e fica sem medalha na patinação nos Jogos de Inverno

Russa de 15 anos tem também problemas com doping, que causaram a suspensão da entrega de medalhas na disputa por equipes em Pequim

Redação, Estadão Conteúdo

17 de fevereiro de 2022 | 13h38

A russa Kamila Valieva, de apenas 15 anos, autorizada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) a disputar a prova individual da patinação artística dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim-2022 depois de um problema com doping que suspendeu a entrega do ouro no concurso por equipes, não conseguiu segurar o primeiro lugar conseguido após o programa curto e, nesta quinta-feira, terminou o programa livre com uma pontuação total de 224,09, fora do pódio, em quarto lugar.

Aos 17 anos, a também russa Anna Shcherbakova juntou o título olímpico ao mundial, somando 255,95 pontos, à frente da compariota Alexandra Trusova (251,73) e da japonesa Kaori Sakamoto (233,13), medalhas de prata e bronze, respectivamente.

Valieva, que no programa desta quinta-feira protagonizou vários deslizes inesperados - caiu duas vezes -, tem estado no centro de uma polêmica devido a um resultado positivo por doping que levou à sua suspensão, entretanto anulada, dos Jogos de Pequim-2022.

A jovem russa, atual campeã europeia, testou positivo para a substância proibida trimetazidina no último dia 25 de dezembro, durante os campeonatos da Rússia, e foi suspensa já no decorrer dos Jogos de Inverno, mas a decisão foi mais tarde anulada.

Em 11 de fevereiro, a Agência Russa Antidopagem (Rusada, na sigla em russo) decidiu abrir um inquérito interno a todos os treinadores e médicos em torno de Valieva, que é menor de idade e, portanto, passível de ter visto os seus interesses mal defendidos por pessoas com essas funções.

Depois de o COI ter suspendido a entrega de medalhas da prova por equipes, que a Rússia venceu e na qual Valieva participou, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) autorizou a jovem atleta a seguir competindo nos Jogos de Pequim-2022 e a poder participar na prova individual.

Valieva, que, tal como os seus compatriotas, compete na China sob a égide do Comité Olímpico Russo devido ao escândalo de doping que abalou o país, foi manchete em todo o mundo quando, na prova por equipes, realizou na capital chinesa pela primeira vez na história um salto quádruplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.