Andy Wong/AP
Andy Wong/AP

Keila lidera mais uma sessão de resultados ruins para o Brasil

No salto em distância, brasileira termina prova apenas no 26.º lugar

Estadão Conteúdo

27 Agosto 2015 | 08h16

É verdade que não havia expectativa de uma grande campanha do Brasil no Mundial de Atletismo de Pequim, mas o que a maioria dos brasileiros está fazendo na China ofende a história da modalidade no Pais. No salto em distância, Keila Costa foi 26.ª colocada, com um resultado que a deixaria apenas em sexto no Troféu Brasil. E ela foi a melhor de três brasileiras que participaram dessa prova em Pequim. As outras foram ainda pior.

Na fase de classificação das provas de saltos horizontais (e também nas de campo), o atleta tem direito a três tentativas. Em finais, são seis. Mas isso não justifica o resultado ruim no Mundial. No Troféu Brasil, realizado em maio em São Bernardo do Campo (SP), Keila passou de 6,50m duas vezes nos três primeiros saltos - ganhou com 6,70 m. No Mundial, fez 6,32 m.

Tânia Ferreira fez 6,18 m em Pequim, mas 6,68 m na competição nacional - exatamente a marca mínima necessária para ir à final do Mundial. Já Eliane Martins, que também tem 6,68 m na temporada, não acertou nenhum salto em Pequim. Todas foram eliminadas.

Nos 110 m com barreiras, também na sessão matinal desta quinta-feira, Adelly Santos fez a 30.ª melhor marca (13s29), enquanto Fabiana Moraes ficou duas posições abaixo (13s35). No Troféu Brasil, elas fizeram 13s06 e 13s21, respectivamente. Até nas fracas semifinais da competição nacional, aliás, Adelly foi mais rápida do que no Mundial - 13s16.

Por fim, no lançamento do disco, Ronald Julião não conseguiu repetir o bom desempenho que lhe valeu medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto e terminou na 21.ª colocação, com 61,02 m. Também ele foi melhor no Troféu Brasil (61,55 m) do que no Mundial.

DECEPÇÃO NOS EUA

Mas não é só o Brasil que vai mal no Mundial. Os Estados Unidos, guardando as devidas proporções, também estão com resultados muito aquém do que se esperava. Nesta quinta-feira, a tricampeã mundial do salto em distância, Brittney Reese, foi eliminada com apenas 6,39 m. Ela sofreu cirurgia no quadril em 2013 e, nas últimas duas temporadas, não superou os 7 metros nenhuma vez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.