Divulgação
Divulgação

Las Leonas querem ouro inédito em Olimpíada no hóquei

Seleção feminina argentina soma quatro pódios seguidos

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

31 de março de 2016 | 07h00

A Argentina vai tentar buscar nos Jogos Olímpicos do Rio a inédita medalha de ouro no hóquei sobre a grama feminino. Desde Sydney-2000, que Las Leonas frequentam o pódio. Foram prata na Austrália e em Londres-2012. Já em Atenas-2004 e Pequim-2008 terminaram em terceiro lugar na competição. O bom nível internacional nos últimos anos anima ainda mais as argentinas a conseguir no campo do Complexo de Deodoro o primeiro lugar no pódio. Las Leonas ganharam a Liga Mundial 2014-15 e ficaram com o terceiro lugar no Mundial de 2014, na Holanda.

O destaque do time é Delfina Merino, que começou a jogar aos 5 anos de idade, devido à paixão dos pais pelo esporte. Está na seleção desde 2009. Soma 65 gols em 200 jogos disputados. Apesar da dedicação à seleção argentina, Delfina divide seus tempo com os estudos na Universidade de Buenos Aires, onde estuda Direito.

Delfina terá um problema para manter os bons resultados da seleção argentina em olimpíadas: a aposentadoria de Luciana Aymar, grande líder da seleção, que abandonou os campos depois de Londres-2012. Para exemplificar a importância do hóquei de grama na Argentina, Luciana Aymar carregou a bandeira do país na cerimônia de abertura dos Jogos de Londres há quatro anos.

Apelidada de “Bruxa”, Luciana Aymar foi eleita oito vezes a melhor jogadora do mundo.

“Ser uma ‘Leona’ traz uma satisfação muito grande. É como fazer parte de um grande time de futebol, basquete, vôlei”, disse Luciana Aymar. “Toda jogadora que veste nossa camisa sabe da responsabilidade e do dever de conquistar grandes resultados. Tenho certeza de que nossa tradição será mantida.” A renovação argentina ganhou um revés na final do Pan de Toronto no ano passado, quando as Leonas perderam para os Estados Unidos, por 2 a 1, como já haviam perdido em Guadalajara-2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.