Edgard Garrido / Reuters
Edgard Garrido / Reuters

Laura Pigossi e Luisa Stefani perdem semifinal no tênis e vão tentar o bronze em Tóquio

Dupla brasileira é superada pelas suíças Belinda Bencic e Viktorija Golubic por 2 sets a 0, com parciais de 7/5 e 6/3

Redação, Estadão Conteúdo

29 de julho de 2021 | 10h34

Laura Pigossi e Luisa Stefani perderam para as suíças Belinda Bencic e Viktorija Golubic, nesta quinta-feira, em duelo válido pela semifinal do torneio de duplas femininas de tênis dos Jogos Olímpicos de Tóquio, por 2 sets a 0, com parciais de 7/5 e 6/3, em 1h35.

As brasileiras voltam à quadra para enfrentar as russas Veronika Kudermetova e Elena Vesnina, que perderam para as checas Barbora Krejcikova e Katerina Siniakova, por 2 sets a 1, com parciais de 6/3, 3/6 e 10/6.

Esta será a segunda vez que o tênis brasileiro terá a oportunidade de disputar uma medalha olímpica, desde que a modalidade voltou à programação dos Jogos, em 1988. O único a disputar o bronze foi Fernando Meligeni, em Atlanta-1996.

No primeiro set, as brasileiras conseguiram abrir vantagem logo no início, ao quebrarem o serviço suíço no primeiro e terceiro games. Com isso, o placar chegou a 4 a 0. No quinto game, Belinda e Viktorija tiveram mais uma vez seu saque ameaçado, mas reagiram e para levar o placar a 4 a 3.

As brasileiras voltaram a confirmar o serviço para fazer 5 a 3, da mesma forma que as suíças conquistaram o quarto ponto. No décimo game, Luisa teve o saque e a dupla do Brasil teve um set point, não aproveitado. As suíças aproveitaram para igualar o placar: 5 a 5.

A partir daí, as atletas da Suíça passaram a errar pouco, enquanto as brasileiras demonstraram certo nervosismo, a ponto de terem mais uma vez o saque quebrado, causando a perda do primeiro set em 7 a 5.

No segundo set, as brasileiras tiveram duas oportunidades de quebra de saque no terceiro game, mas desperdiçaram. Já as suíças não cometeram o mesmo erro e abriram 4 a 2, ao quebrarem o saque de Luisa Stefani.

CURIOSIDADE

A dupla brasileira tem uma história curiosa em Tóquio. Elas foram inscritas na Olimpíada de última hora, e o roteiro que marcou o ingresso das duas no torneio teve requintes de dramaticidade e expectativa. Elas só tiveram as vagas confirmadas pela Federação Internacional de Tênis (ITF) após desistências na chave.

O gerente esportivo da Confederação Brasileira de Tênis (CBT), Eduardo Frick resolveu arriscar e inscreveu as duas no torneio olímpico de tênis sem avisá-las, na expectativa de que sobraria alguma vaga depois de desistências. E sobrou. O aviso foi dado pela Federação Internacional de Tênis e a dupla foi inscrita quando restava uma hora para encerrar o prazo.

Luisa tem 23 anos e vem fazendo história no tênis feminino nacional. Além deste resultado olímpico, ela é a melhor ranqueada do Brasil, com o 23º lugar, desde que o sistema da WTA foi criado em 1975, somando dois títulos e mais seis finais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.