Lençóis maranhenses recebem competição inédita de kitesurfe

Melhores atletas do mundo na modalidade se reunirão no deserto mais úmido do planeta para enfrentar 16 km de água, areia e calor

O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2014 | 19h47

Uma competição inédita terá os Lençóis Maranhenses como cenário a partir do próximo sábado. Os melhores atletas de kitesurfe do mundo se reunirão no deserto mais úmido do planeta para enfrentar 16 km de água, areia e calor. Na modalidade, os atletas praticam surfe com cordas na cintura - elas sustentam uma espécie de pipa em forma de paraquedas.

Com um formato inédito, a competição irá exigir diferentes tipos de habilidade dos competidores. A expectativa é que os atletas consigam velejar durante pouco mais de metade do percurso. Ou seja, além da estratégia de velejar e conseguir passar de uma piscina natural pra outra, eles também terão que mostrar que conseguem vencer as dunas de areia.

 

Entre os nomes que participarão da disputa estão a estoniana Kristiin Oja, a atual líder feminina do ranking mundial Annelous Lammertz, a francesa Marie Desandre, vice-campeã mundial de kite speed, a americana Susi Mai e a brasileira Bruna Kajiya, campeã mundial na modalidade freestyle em 2009.

Entre os homens, os destaques ficam por conta do francês Alex Caizergues, três vezes campeão mundial de kite speed e atual detentor do recorde de velocidade e os brasileiros Wilson Veloso, tetracampeão brasileiro e bicampeão mundial Master de kiteracing, e Roberto Veiga, um dos kitesurfers mais bem ranqueados do mundo.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses tem 155 mil hectares e abrange os municípios de Barreirinhas, Santo Amaro e Primeira Cruz. Criado em junho de 1981, ele é composto de áreas de restinga, dunas e costa oceânica, o local é considerado um dos mais bonitos do mundo e recebe turistas de todas as partes do planeta.

A largada da competição de Kitesurf será de uma grande lagoa no meio do Parque dos Lençóis. A chegada, por sua vez, será na Lagoa das Andorinhas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.