Divulgação
Divulgação

Lenda do atletismo brasileiro, Aida dos Santos eterniza pés no Hall da Fama do COB

Ex-atleta olímpica de 84 anos recebe homenagem em cerimônia restrita na sede da entidade, no Rio

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2021 | 23h11

Lenda do atletismo brasileiro, Aida dos Santos, de 84 anos, teve seus pés imortalizados para o Hall da Fama do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) nesta quinta-feira. A homenagem aconteceu em uma cerimônia restrita na sede da entidade, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. 

Acompanhada da filha Valeskinha, campeã olímpica de vôlei em Pequim 2008, na solenidade, a carioca relembrou as dificuldades nos tempos em que competia.  

"Quando entrei para o atletismo nem sabia que tinham competições como Sul-americano e Jogos Olímpicos. Esporte individual tinha que ter índice. Eu não estava com índice. Fui competir por acaso e fiz o resultado", disse a ex-atleta, que aproveitou para mandar uma mensagem de apoio aos brasileiros que vão disputar a Olimpíada no Japão. 

“Já que estão em Tóquio é porque mereceram. Sejam perseverantes e pensem que são tão bons quantos os outros. Briguem pela medalha de ouro."

Sem técnico, uniforme, tênis adequado e intérprete, Aida fez história nos Jogos de Tóquio de 1964. ùnica mulher em uma delegação de 68 atletas, a pobre menina negra do Morro do Arroz, em Niterói, alcançou o 4º lugar no salto em altura. 

A façanha ganhou destaque mundial. Por 32 anos, a brasileira obteve a melhor marca de uma atleta em Olimpíadas — 1m74 —, sendo superada em 1996, nos Jogos de Atlanta. 

"Aida é uma referência. Hoje nós temos quatro atletas do atletismo no Hall da Fama e ela é a primeira mulher. Tem um simbolismo muito grande", diz Wlamir Campos, presidente da Confederação Brasileira de Atletismo. 

"Nossas atletas medalhistas em campeonatos mundiais e em olimpíadas recebem a medalha Aida dos Santos. Isso mostra a dimensão dela e sua referência para as mulheres. Ela era uma estrela solitária e hoje ilumina com seu brilho todo o atletismo nacional", completa. 

Inaugurado em 2018, o Hall da Fama do COB tem o objetivo de valorizar os heróis olímpicos brasileiros e  personagens que contribuíram de maneira marcante com o esporte no Brasil. Paula e Hortência (basquete), Torben Grael (vela), Maria lenk (natação), Vanderlei Cordeiro de Lima (atletismo), Bernardinho e Zé Roberto Guimarães (vôlei) foram alguns dos que já foram homenageados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.