Kai Försterling/EFE
Kai Försterling/EFE

Letícia Oro Melo fatura bronze no salto em distância e Thiago Braz fica sem pódio no salto com vara

Brasileira converte apenas uma tentativa para conquistar terceiro lugar; medalhista olímpico não supera marca de 6 metros e fica sem medalha

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2022 | 00h13

No dia derradeiro do Mundial de Atletismo, realizado em Eugene, nos Estados Unidos, o Brasil teve muito o que comemorar. Letícia Oro Melo precisou de um único salto válido de 6,89 metros para garantir o bronze. Thiago Braz, único brasileiro na final do salto com vara, não cumpriu as expectativas e acabou sem medalha, na quarta posição.

Única brasileira na disputa na finalíssima do salto em distância, bastou apenas a primeira tentativa para Letícia Oro Melo garantir o bronze em sua primeira participação em Mundiais. O ouro ficou com a alemã Maika Mihambo, com o salto de 7,12 metros. A prata ficou com Ese Brume, da Nigéria.

Logo no primeiro salto da disputa, Letícia iniciou a jornada na decisão saltando para sua melhor marca pessoal, de 6,89 metros, e se colocou na liderança. Na segunda tentativa, a atleta queimou seu salto. Na sequência, Ese Brume saltou 7,02 metros e assumiu a ponta. Maika Mihambo saltou 6,98 metros e jogou Letícia para a terceira posição, onde ela seguiu após queimar suas tentativas pelas próximas quatro vezes.

No salto final, a situação se repetiu, mas isso não impediu a brasileira de faturar o bronze. Após a conquista, a atleta não se conteve na comemoração e se enrolou na bandeira nacional para celebrar a façanha. 

SALTO COM VARA

Após ter avançado na quarta posição para a final sob grande expectativa, Thiago Braz, terceiro no ranking mundial, iniciou sua jornada na decisão do salto com vara conseguindo a marca de 5,55 metros, sem qualquer tipo de susto. Favorito para o ouro, o sueco Armand Duplantis, detentor do recorde mundial e medalhista de ouro nos Jogos de Tóquio, pulou a primeira rodada e iniciou sua jornada já na segunda parte da decisão.

O primeiro erro do brasileiro veio na primeira tentativa para os 5,80 metros. Porém, na segunda tentativa para esta altura, o brasileiro não titubeou e superou a marca. Na sequência, assumiu a liderança momentaneamente ao saltar 5,87 metros. 

Porém, ao saltar para 5,94 metros, o brasileiro errou suas duas primeiras tentativas e tentou mudar de estratégia ao abrir mão da chance final de superar a marca. Braz elevou o sarrafo para os 6 metros em busca de subir na classificação, mas errou e deu adeus à competição na quarta posição. O ouro ficou nas mãos do sueco Armand Duplantis, com a marca de 6,21 metros, batendo o recorde do mundial e do campeonato. A prata com o americano Christopher Nilsen e o bronze com o filipino Ernest John Obiena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.