Maddie Meyer|AFP
Maddie Meyer|AFP

Leveza e velocidade: conheça as cadeiras adaptadas da Paralimpíada

Equipamentos são testados em túneis de vento antes de aterrissarem no Rio

Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2016 | 05h00

Não é apenas na questão das próteses que a tecnologia nos esportes paralímpicos se destaca. Na maioria das modalidades, inovações estão constantemente aprimorando os aparelhos e aumentando o nível de competitividade dos esportistas. Até mesmo os esportes que se praticam sentados, como no atletismo sobre cadeira de rodas e no basquete paralímpico.

Determinadas categorias do atletismo de pista e de rua são dedicadas a amputados e paraplégicos que competem em cadeira de rodas. Para desenvolvê-las e aprimorar o tempo dos atletas, foram feitos uma série de testes, inclusive em verdadeiros túneis de vento. Isso acabou aperfeiçoando a aerodinâmica os assentos.

A equipe britânica utiliza as cadeiras fabricadas pela empresa BAE Systems. No laboratório, localizado em Warton, na Inglaterra, as cadeiras são testadas em um túnel de vento que, acredite, também é usado para testar aviões-caça que viajam a mais de 300km/h. Nas experiências, foi aprimorada a ideia de como os atletas interagem com o ar, evidenciando mudanças até mesmo na postura dos atletas.

No caso das cadeiras do basquete adaptado, a aceleração não é a prioridade, mas sim a leveza e a facilidade de manuseio. O time britânico conta com o apoio da fabricante de automóveis BMW na produção dos assentos.

Comparando com a cadeira utilizada pela mesma equipe em Pequim-2008, o equipamento usado em Londres-2012 já era 2kg mais leve. Para o Rio, é esperado que o peso diminua ainda mais, facilitando a movimentação dos atletas. Já que é comum que as cadeiras tombem em quadra, também foi desenvolvida uma mecânica para que os atletas se levantem mais rapidamente.

As cadeiras que foram usadas pelos britânicos em 2012 já eram geradas em modelos computacionais e escaneadas em 3D. A fabricação foi feita por termoformação, que molda resinas por meio de pressão e temperatura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.