Marcello Zambrana / Lima 2019
Marcello Zambrana / Lima 2019

Liberada pela CAS, Nathasha Rosa compete nesta sexta-feira nos Jogos Olímpicos

Pesista teve dois resultados analíticos adversos em exames antidoping, mas recebeu liberação para participar de sua primeira Olimpíada

Redação, Estadão Conteúdo

22 de julho de 2021 | 13h10

A pesista Nathasha Rosa será a primeira brasileira da modalidade a competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, nesta sexta-feira. Ela participará da prova de 49kg feminino e terá a oportunidade de participar pela primeira vez de uma Olimpíada. A disputa começa às 21h50 (de Brasília), no Fórum Internacional de Tóquio.

A brasileira está no grupo B da categoria, com peso de entrada de 180kg. Loa Dika Toua (PNG), Marie Ranaivosoa (MRI), Beatriz Calendario (DOM), Kristina Sobol (ROC) e Ludia Montero Ramos (CUB) também estão no grupo B. O grupo A, começando à 1h50 de sábado, conta com Anais Michel (FRA), Wan-Ling Fang (TPE), Nina Sterckx (BEL), Windy Cantika Aisah (INA), Jourdan Delacruz (USA), Hiromi Miyake (JPN), Chanu Saikhom Mirabai (IND) e a recordista mundial Zhihui Hou (CHN).

Nathasha foi liberada pela Divisão Antidopagem da Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) para competir nos Jogos Olímpicos. No final de maio, ela teve dois resultados analíticos adversos, sendo um colhido fora do período de competições e outro durante o Campeonato Pan-Americano de Levantamento de Pesos, em Santo Domingo, na República Dominicana. Mas foi considerada elegível novamente depois de um mês pela Agência Mundial de Testagem (ITA, na sigla em inglês). Com isso, foi inscrita nos Jogos, já que havia conseguido posicionamento no ranking olímpico para participar da competição.

Nesta semana, Nathasha foi julgada e os árbitros responsáveis pela decisão consideraram que a substância hidroclorotiazida e o metabólito clorominofenamida, encontrados nos suplemento que a atleta consumia, foram resultado de provável contaminação. Com isso, ela recebeu uma punição reduzida, de apenas um mês, já cumprida, por não ter preenchido o documento com a listagem de suplementos que consumia naquela época, sendo liberada pelo CAS para competir.

A atleta está em Tóquio desde o fim de semana. Segundo o técnico Dragos Stanica, ela está confiante. "Ela está bem, está muito melhor do que a gente pensava nos treinos que fizemos juntos antes de ela viajar. Tudo o que aconteceu abalou muito ela. Deveria estar tranquila no grupo A. Podem ficar animados, a Nathasha vai fazer uma boa competição".

De acordo com o treinador, o grande objetivo é que Nathasha ganhe experiência para os Jogos de Paris, em 2024. "É o sonho de qualquer atleta. É bastante nova, primeira participação, um começo de caminho. O objetivo é fazer uma boa competição, pegar segurança, pegar experiência. Vamos ter uma mudança de categorias no ano que vem, cada categoria vai ficar mais competitiva", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.