Licitação para Parque da Barra é adiada outra vez

Escolha só será anunciada no fim de setembro, após Jogos Paralímpicos

Raphael Ramos e Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2016 | 17h00

A licitação para a escolha da empresa que atuará junto com a prefeitura do Rio na operação do Parque Olímpico da Barra sairá só no fim de setembro, depois do encerramento dos Jogos Paralímpicos. A data para a abertura da concorrência já foi adiada duas vezes. Antes prevista para o início do mês, primeiro foi transferida para a última sexta-feira e depois para o fim do próximo mês para revisão do edital da PPP (Parceria Público Privada).

Além da desmontagem de duas arenas, o terreno de 1,18 milhão de metros quadrados passará por significativas mudanças para que seja transformado em um parque público. Entre as alterações em relação aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos está a construção de uma pista de atletismo.

A previsão é que a adaptação completa do Parque Olímpico da Barra demore até dois anos. Segundo o prefeito do Rio, Eduardo Paes, quatro empresas teriam demonstrado interesse em participar da administração do local. A maior fonte de renda do parque será a Arena Carioca 1, palco das disputas de tae-kwon-do e esgrima na Olimpíada e das lutas de judô na Paralimpíada, que será transformada em uma casa de shows.

Deodoro. O Estádio de Canoagem Slalom, o Centro Olímpico de BMX e o Centro de Mountain Bike serão batizados de Parque Radical. O local será concedido pelo Governo Federal à prefeitura do Rio e o estádio de canoagem, por exemplo, será uma piscina pública – no primeiro semestre, o espaço já foi aberta à população para uma espécie de teste.

A prefeitura, no entanto, terá de ceder o uso das instalações para as confederações de Canoagem e Ciclismo em datas em que houver competições dessas modalidades.

Também será feito um estudo de viabilidade para a construção de um autódromo em Deodoro. O equipamento está previsto para substituir o autódromo de Jacarepaguá, demolido para obras do Parque Olímpico da Barra. O projeto, no entanto, foi suspenso por causa do contingenciamento de recursos do Ministério do Esporte. /R.R e MARCIO DOLZAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.