Líderes estarão em sessão com anúncio para sede de 2016

Tóquio (JAP), Chicago (EUA), Madri (ESP) e Rio de Janeiro (BRA) continuam na disputa para sediar a Olimpíada

Karolos Grohmann, Reuters

23 de agosto de 2008 | 00h34

Chefes de Estado do Brasil, Japão, Estados Unidos e Espanha vão participar da assembléia geral do Comitê Olímpico Internacional no ano que vem para definir a cidade-sede dos Jogos de 2016, disseram as quatro candidatas no sábado. Tóquio, Chicago, Madri e Rio de Janeiro continuam na disputa e a decisão sobre a escolhida está marcada para outubro de 2009, na sessão do Comitê Olímpico Internacional (COI) em Copenhague, na Dinamarca. Em uma rara aparição conjunta no sábado, com a expectativa de conseguir publicidade da mídia pouco antes do final dos Jogos de Pequim, líderes das cidades candidatas afirmaram que contam com apoio total de seus governos. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia estado em Pequim, quando apresentou seu apoio à candidatura do Rio. "Quando Deus fez o mundo, ele preparou o Rio para os Jogos Olímpicos", afirmou, há alguns dias. O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, disse que Lula estará na assembléia do COI no ano que vem. O primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, também esteve rapidamente em Pequim para a cerimônia de abertura. "Nosso chefe de Estado é conselheiro honorário de nosso comitê. É claro que ele estará lá. Contamos com o apoio dele", disse Ichiro Kono, do Japão. Chicago terá apoio do novo presidente, já que até lá o democrata Barack Obama ou o republicano John McCain estará no poder. O chefe da candidatura de Chicago, Patrick Ryan, afirmou que quem quer que vença a eleição estará em Copenhague, salvo algum problema de agenda. "Ele irá demonstrar que Chicago receberá bem o mundo", disse Ryan. Mercedes Coghen, de Madri, afirmou que a família real espanhola e o primeiro-ministro, José Luiz Rodriguez Zapatero, também estão apoiando a candidatura e viajarão à Dinamarca para a votação. Chefes de Estado já participaram de assembléias do COI que definiram as sedes antes, sendo que o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair foi considerado peça-chave para a vitória de Londres para os Jogos de 2012. Mas o COI mostrou preocupação de que isso possa ofuscar a votação em si. Por isso planeja adotar algumas condições antes de Copenhague para reduzir o tamanho das comitivas.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadasRio 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.