Lochte se diz 110% arrependido, mas sustenta tese de exagero e não de mentira

'Tudo o que sei é que havia uma arma apontada para a gente, e a gente teve que dar dinheiro'

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

20 Agosto 2016 | 23h06

O nadador americano Ryan Lotche concedeu entrevista ao Jornal Nacional , da Rede Globo, na qual declarou amor ao povo brasileiro, se disse 110% arrependido, mas sustentou não ter mentido sobre a confusão ocorrida em um posto de gasolina da zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo ele, por estar alcoolizado e devido à sua imaturidade, exagerou no relato feito à rede de televisão americana NBC, de que teria sido assaltado em um táxi ao retornar à Vila Olímpica. Dias depois, a polícia descobriu que a versão era falsa.

“Arranquei um pôster da parede do posto e depois os seguranças tinham uma arma. Não posso dizer o que foi. Tudo o que sei é que havia uma arma apontada para a gente, e a gente teve que dar dinheiro”, disse o nadador, que se lamentou da proporção que a notícia do seu falso relato causou no mundo . Em sua opinião, se “não tivesse exagerado a história ou se tivesse contado a história completa, nada disso teria acontecido”.

Lotche ainda pediu desculpas ao dono do posto de gasolina onde ocorreu a confusão, assim como ao “povo do Rio, ao povo do Brasil, a todos que se uniram para fazer esses jogos maravilhosos”. E afirmou ter aprendido com o episódio. “Eu quero que vocês saibam que eu amo vocês. Vocês me trataram com muito respeito. Estou muito arrependido que a minha imaturidade tenha causado toda essa confusão”, enfatizou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.