Divulgação
Divulgação

Logomarca dos Jogos Olímpicos foi inspirada na receptividade do carioca

Ex-presidente do COI chegou a dizer que viajava o mundo inteiro e, em nenhum outro lugar, é recebido com um abraço

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2016 | 11h02

As marcas olímpica e paralímpica, símbolo máximo dos Jogos Olímpicos Rio-2016, foram criadas com o objetivo de traduzir para o mundo o que o Rio de Janeiro tem de mais especial, na opinião dos criadores, usar um arquétipo humano e simbolizar o abraço foi a melhor maneira de representar a energia contagiante, o jeito de receber e o acolhimento da cidade carioca.

"A marca dos Jogos transcende valores, representando a união universal dos povos. É uma presença enorme. Ela tem um simbolismo muito grande e está em tudo, nas moedas, nas sacolas, nos selos, nos carros, outdoors, e continua fresca e contemporânea. Isso é algo que se vive uma vez na vida", conta o designer Fred Gelli, um dos responsáveis pela identidade visual da Olimpíada. Em entrevista ao Estado, Gelli ainda acrescenta que o ex-presidente do Comitê Olímpico Internacional, Jacques Rogge, chegou a dizer que a marca era impressionante, porque ele viajava o mundo inteiro e, em nenhum outro lugar, é recebido com um abraço.

Nas cores verde, amarelo e azul, o logo que mostra três pessoas de mãos dadas, também representa o Pão de Açúcar, principal cartão postal do Rio de Janeiro. O designer afima que, "criamos a marca mais bem aceita da história dos Jogos Olímpicos Modernos, nenhuma teve tanta receptividade, assim como a tocha e os mascotes. Isso é um legado para a história dos Jogos".

A marca palímpica recebeu um processo diferenciado no Brasil, deficientes visuais acompanharam de perto toda a criação, foram usados sensores de presença e vibração para que pessoas com variações de sentidos pudessem entender e compartilhar o símbolo do Rio-2016. "Acredito que os Jogos serão um sucesso. Eu sinto a energia mudando na cidade e o mundo inteiro vai perceber. Os problemas e atrasos, acontecem. Temos que valorizar a nossa casa, o mundo tem que valorizar isso. Será a melhor Olimpíada dos últimos anos e espero que essa identidade ajude a representar, na história, um símbolo de uma virada não só no Rio, mas no Brasil ", diz Fred Gelli. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.