CLAYTON DE SOUZA|ESTADÃO | ESTADÃO CONTEÚDO
CLAYTON DE SOUZA|ESTADÃO | ESTADÃO CONTEÚDO

Mãe de Erlon ainda faz dengos, mas cobra o ouro

Erlon Souza da Silva é o filho pródigo de Ubatã

O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2016 | 17h00

Eliete de Souza ficou atarantada porque o Estado chegou em sua casa sem avisar. “A casa está uma bagunça. Não sabia que vocês vinham hoje”, desculpa-se arrumando o forro do sofá. “Caíque, por que você não falou?”, ralha com o atleta que conduziu a reportagem até sua casa em Ubatã, distante 30 km de Ubaitaba. “Eles vão embora amanhã”, encolhe-se o canoísta. “Ai, meu Deus. Não reparem a bagunça”, abre passagem.

A casa está arrumada, dona Eliete está preocupada à toa. Do lado direito, acima do sofá, um tapete foi transformado em um enorme mural colorido. Estão ali duas dezenas de medalhas e fotos, algumas originais, algumas reproduzidas do computador, tudo isso que está na foto.

Refeita do susto, Eliete conta sua história com bom humor e desembaraço. Ele é mãe de Erlon Souza da Silva, campeão mundial do C2 1000m em Milão ao lado de Isaquias Queiroz. A vitória garantiu a medalha de ouro e colocou o País na prova nos Jogos Olímpicos do Rio. Só um lembrete: C2 significa canoa com dois atletas.

“Ele fazia capoeira. Um dia, chegou em casa dizendo que queria fazer canoagem. Ele nem sabia nadar, mas disse que os meninos iam ajudá-lo. Fiquei com medo”, conta com os gestos largos e entusiasmados. “No dia seguinte, ele voltou com uma medalha e uma camiseta larga da canoagem, que ia até os joelhos. Eu dei um grito, não sabia que tinha um atleta dentro de casa. Foi ali que tudo começou. Apoiei desde o começo”, diz dona Eliete.

Erlon e Isaquias têm chance de uma nova conquista na Olimpíada. “A gente torce pelo ouro, né? Qual é a mãe que fica torcendo para o filho ganhar a prata? Tenho certeza que o Brasil torce por ele.”

Quando chega o filho mais velho, Gildásio Pereira, dona Eliete destaca que tem orgulho dos três, tem também a Luciana. Gildásio é pedreiro, morou cinco anos em São Paulo, mas desistiu de lutar contra o aluguel de R$ 400.

Erlon é o filho pródigo de Ubatã. Esteve nos Jogos de Londres-2012 e terminou na 10ª colocação (2º lugar da final B) remando ao lado de Ronilson Oliveira. Tímido e introvertido, ele é oposto do midiático Isaquias. Jesús Morlan, técnico do time olímpico que treina em Lagoa Santa, já disse algumas vezes que Isaquias não teria sido campeão do mundo no C2 1000m se treinasse sozinho. Erlon é fundamental para tranquilizar e passar experiência aos companheiros.

Dona Eliete conta que o filho é carinhoso, mas tem vergonha. “Ele não gosta quando eu fico dengando ele na frente dos outros. Filho caçula, mesmo quando fica alto e forte continua sendo filho caçula”, diz.

Em tempo: antes de tirar a foto, Dona Eliete fez questão de ajeitar o cabelo e colocar esse belo vestido florido.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos OlímpicosOlimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.