Mais três nadadoras brasileiras garantem vaga para Pequim

Joanna Maranhão, Gabriela Silva e Daynara de Paula garantem suas respectivas vagas no Troféu Maria Lenk

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

07 de maio de 2008 | 20h42

A natação brasileira vai ter mais três representantes na Olimpíada de Pequim e são mulheres. Na tarde desta quarta-feira, Joanna Maranhão que vinha perseguindo a vaga olímpica cravou 4min44s66 nos 400 m medley, obtendo o índice exigido durante as eliminatórias do Troféu Maria Lenk.Gabriela Silva (58s90) e Daynara de Paula (59s30) surpreenderam ao fazer índice olímpico nos 100 m borboleta. Agora, são 14 os nadadores do País com vaga assegurada nos Jogos. A competição prossegue nesta quinta.Também nesta quarta, César Cielo, Thiago Pereira, Poliana Okimoto e Flávia Delaroli, nadadores que já tinham presença assegurada em Pequim, brilharam no Troféu Maria Lenk. Os quatro confirmaram o favoritismo e venceram suas provas pela manhã, na última seletiva do Brasil para os Jogos.O País, no entanto, não terá representantes nos 200 m peito masculino em Pequim. Thiago Pereira, que faturou a medalha de ouro nessa modalidade com o tempo de 02min14s16 e tem índice olímpico para participar da prova na China, decidiu ficar fora para se concentrar nas disputas de medley (200 e 400 m) e nos revezamentos (4x200 m medley, 4x100 m medley e 4x100 m livre - ele ainda não garantiu vaga nas duas últimas disputas). "Vou abrir mão dos 200 m peito. Estou tranqüilo e tenho muita coisa para treinar", declarou Thiago, que vai competir em mais oito provas no Troféu Maria Lenk.César Cielo piorou o tempo obtido na terça-feira durante as eliminatórias dos 50 m livre (21s90 ), cravou na final 21s96 e chegou em primeiro. Ele continua longe do recorde mundial da prova (21s28), alcançado em março de 2008 pelo australiano Eamon Sullivan, porém seu otimismo não diminuiu. Pelo contrário. "Vivo a melhor fase da minha carreira. Estou em condições de bater essa marca", afirmou Cielo, confiante.Jáder Souza, com 22s68, ficou em segundo, seguido por Nicolas Oliveira, com 22s77. O resultado definiu a classificação de Nicholas Santos, que não participou da prova, para Pequim. Dono do tempo de 22s18, ele corria o risco de ser ultrapassado, mas sua aposta deu certo.Quem também tinha motivos para sorrir era Poliana Okymoto. Uma semana depois de faturar, em Sevilha, vaga nas Olimpíadas na maratona aquática, ela venceu nesta quarta os 800 m livre feminino, batendo o recorde do campeonato com o tempo de 8min45s07. "Fiz uma ótima prova e superei o cansaço." Nos 50 m livre feminino, a vitória foi de Flávia Delaroli. Ela cravou o tempo de 25s47, deixando a medalha de prata para Tatiana Lemos, com 25s95. "Esse resultado dá um gás a mais para seguir treinando forte."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.