Marcelo Sayão/EFE
Marcelo Sayão/EFE

Marilson diz que terminou a maratona para 'encerrar a carreira de forma digna'

Brasileiro termina em 59.º lugar, com o tempo de 2h19min09

Demétrio Vecchioli, enviado especial ao Rio, Estadão Conteúdo

21 Agosto 2016 | 12h56

Quem olha o histórico de Marilson Gomes dos Santos encontra poucos resultados tão ruins quanto o obtido neste domingo na maratona que fechou as provas de atletismo dos Jogos Olímpicos do Rio. O brasileiro terminou em 59.º lugar, com o tempo de 2h19min09, uma eternidade para quem está acostumado a correr entre 2h10 e 2h15 e que foi quinto colocado em Londres-2012.

Ao fim da prova, no Sambódromo, Marilson culpou a umidade alta pelo resultado ruim e disse que, se fosse em qualquer outro momento da carreira, não teria se desgastado para chegar ao final - pararia no meio e já começaria a pensar na próxima maratona. Desta vez, porém, não há uma próxima. Ele agora é um ex-atleta.

"Geralmente eu teria parado, mas não parei porque era questão de honra terminar. Estava diante da minha torcida, no meu País, na minha ultima prova. O dano para o físico é muito grande nessas condições. Depois de uma prova dessa, isso é meio irreparável. Normalmente, eu paro com esse tempo, mas queria terminar a carreira de uma forma mais digna", disse.

De acordo com ele, não havia muito mais a se fazer. O corpo, aos 39 anos, não aguentou acompanhar o ritmo dos primeiros colocados. Após metade dos 42 quilômetros de prova pela zona Sul e pelo centro do Rio, Marilson já sabia que não dava mais para chegar. A torcida o ajudou a continuar.

"Eu fiz o que pude. Dei meus 100%. Já percebi que não dava na metade da prova, onde comecei a sentir dificuldades. Se não fosse a torcida, não teria terminado. Terminei por causa dela. A emoção batia mesmo. Ela me levou. Terminei destruído", contou, garantindo que não vai voltar a correr em alto rendimento.

Agora, quer descansar. Na semana que vem, tem uma conversa marcada com o clube dele, a BM&F Bovespa, que estaria interessado em mantê-lo na equipe, agora em nova função. Apesar de ser formado em educação física, Marilson, pelo menos por enquanto, descarta ser treinador.

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Mais conteúdo sobre:
Santos Sambódromo BM&F Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.