AP
AP

Marta ressalta força de suecas e avalia que jogo será difícil

Jogadora atuou boa parte da carreira no país europeu

Sergio Torres, O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2016 | 05h00

“Agora, é matar ou morrer”. A frase dramática é de Marta, camisa 10 da seleção. Aos 30 anos, na disputa da quarta Olimpíada, a craque sabe que dificilmente terá uma nova chance de conseguir o ouro olímpico.

A medalha de ouro quase veio em Atenas-2004 e Pequim-2008. O Brasil e Marta voltaram com a prata, derrotadas em ambas as ocasiões pelos EUA, já eliminados da Rio-2016. Em Londres-2012, o Brasil caiu nas quartas.

Em entrevista ontem, Marta deixou escapar que existe uma preocupação quanto ao rendimento da equipe. “Não podemos cair na armadilha de achar que será fácil. As suecas eliminaram as americanas. É um novo jogo. Agora, é matar ou morrer”, afirmou ela, em uma referência à partida da fase preliminar em que a seleção goleou por 5 a 1 a Suécia.

Apesar de um resfriado que a tem incomodado nos últimos dias, Marta afirmou que está tranquila quanto ao bom rendimento em campo e que nem passou pela sua cabeça e pela dos integrantes da comissão técnica a possibilidade de ficar de fora da partida.

“Estou um pouco resfriada, mas nada que me impeça de jogar”, disse ela.

Mais conteúdo sobre:
Marta Olimpíada Brasil Suécia RIo 2016 Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.