Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

'Me empenhei muito para realizar o sonho', diz Prass após corte da seleção

Goleiro do Palmeiras já embarcou de volta para São Paulo após lesão

Almir Leite, enviado especial a Goiânia, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2016 | 08h12

O goleiro Fernando Prass embarcou para São Paulo no início da manhã deste domingo. Cortado da seleção brasileira que vai disputar a Olimpíada, ele pegou um dos primeiros voos saídos de Goiânia para a capital paulista. O desligamento do palmeirense foi confirmado no início desta madrugada pela CBF, que tem prazo até o dia 3 de agosto, próxima quarta-feira, para inscrever um substituto.

A decisão sobre o corte do goleiro de 38 anos estava tomada desde o fim da tarde, tal a gravidade da contusão no seu cotovelo direito, mas só oficializada após os exames feitos em uma clínica de Goiânia que constatou a fratura. Devido ao inchaço no local, Prass teve dificuldade para posicionar corretamente o braço no aparelho para realizar a ressonância magnética. Só conseguiu após várias tentativas e de o inchaço diminuir.

Prass demonstrou muita tristeza e comentou o corte nas redes sociais. "Me empenhei muito para realizar o sonho de ser jogador da seleção brasileira. Mas infelizmente não será dessa vez. O exame realizado hoje (noite de sábado) apontou uma fratura do cotovelo e não poderei disputar a Olimpíada", escreve o goleiro. "Vou me cuidar e voltar ainda mais forte para defender o Palmeiras e quem sabe a seleção novamente. Agradeço a torcida e o carinho de todos."

O goleiro sofreu a fratura durante o aquecimento no estádio Serra Dourada para o jogo em que a seleção olímpica venceu o Japão por 2 a 0 - já era certo que ele não atuaria, para ser poupado. Sentiu ao levantar o braço para fazer uma defesa. Ele havia machucado o cotovelo direito na segunda-feira, na Granja Comary (Teresópolis). Seu quadro foi evoluindo durante a semana, a ponto de o técnico Rogério Micale ter dito que ele só não jogaria contra o Japão para não correr riscos. A contusão mudou totalmente o quadro.

O cotovelo machucado agora é o mesmo que Prass contundiu em 2014. Na época ele precisou ser operado e ficou cinco meses sem jogar. Agora, deverá perder o restante da temporada.

O substituto de Fernando Prass será definido após consulta da CBF à Fifa. A entidade pretende convocar um jogador que não está na lista dos 35 pré-convocados e as informações são de que esse goleiro pode ser Marcelo Grohe, do Grêmio. Para isso, os dirigentes contam com um precedente em favor de Portugal, que conseguiu fazer uma mudança no seu grupo por causa das dificuldades que encontrou para os clubes liberassem atletas. "Já fizemos uma consulta à Fifa sobre o procedimento que vamos adotar porque se trata de um jogador acima de 23 anos", disse no início desta madrugada o coordenador da base da CBF, Erasmo Damiani.

Essa atitude da CBF sinaliza que a Roma não quis liberar Alisson, que está lista dos 35, assim como Jordi, do Vasco, e Jean, do Bahia, único goleiro que poderá ser chamado se a seleção precisar fazer nova troca por contusão após o dia 3 de agosto.

INCIDENTE

A saída de Fernando Prass do local onde realizou os exames foi marcada por uma tentativa do motorista que conduzia a van em que estava o goleiro de atropelar os jornalistas que estavam na porta da clínica. Irritado com a aglomeração, o motorista de uma empresa contratada pela CBF, cujo primeiro nome seria Divino, arrancou com violência. Houve protestos e alguns xingamentos e o motorista, então, parou a van no meio da rua, engatou marcha a ré e tentou atingir os profissionais - cerca de 4 pessoas estavam na calçada. Ninguém se machucou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.