AFP
AFP

Ciro Campos, Guilherme Duarte Jardim e José Roberto de Toledo, O Estado de S. Paulo

13 Agosto 2016 | 05h34

Será que o sujeito de uniforme azul escrito “China” em vermelho, comendo um sanduíche intragável na praça de alimentação em frente ao parque olímpico, é atleta? A dúvida, com variações de local e nacionalidade, assalta com mais frequência os turistas olímpicos do que táxi clandestino pegando passageiro na rodoviária de madrugada. Usar peso, altura e idade aparentes para respondê-la é natural, mas, também, um atalho para o erro. Não existe o biotipo médio do atleta do Rio-2016.

A não ser que você seja torcedor da seleção japonesa de futebol e seu ídolo seja o zagueiro Tsukasa Shiotani. Com 1,82 metro, 80 quilos e 27 anos, ele é a personificação da mediocridade olímpica. Nenhum outro esportista se assemelha mais à média de altura, peso e idade dos atletas masculinos que vieram competir no Rio. Também nos resultados: como a maioria, voltou para casa sem morder uma medalha. Nem por isso ele se tornou ícone da propaganda olímpica.

A análise dos dados biométricos de todos os atletas revela uma diversidade que não combina com o imaginário comercial criado para a Olimpíada. Ninguém viu um filme oficial de exaltação aos gordos olímpicos. Mas eles existem, e não são poucos.

Há mais de 300 atletas inscritos na Rio 2016 com IMC (índice de massa corporal) superior a 30 – o que, segundo a Organização Mundial de Saúde, é sinal de obesidade. O IMC não é a medida ideal, pois não separa massa muscular de gordura. “IMC para analisar os atletas provavelmente vai levar a erro. É preciso usar outros métodos para dar a porcentagem de gordura, a massa óssea e mais informações”, explica o fisiologista Paulo Zogaib.

É improvável, porém, que alguém com IMC acima de 40 possa ser “puro músculo”. Único levantador de peso do Equador que veio ao Rio em busca de medalha, Fernando Salas Manguis tem 1,86 m e pesa 155 quilos. Seu IMC é 44,8. Por essa conta, ninguém é mais gordo do que ele na Vila dos Atletas. Embora seja capaz de levantar mais de 400 kg, a imagem do equatoriano não condiz com o que os marqueteiros olímpicos estão acostumados a vender. Nem por isso Salas é menos atlético do que seus companheiros.

“A nossa categoria no levantamento de peso (com mais de 105 kg) tem os mais fortes atletas olímpicos. Temos um tipo físico parecido”, diz. É verdade. Dos 24 inscritos com IMC superior a 40, nada menos do que 15 são levantadores de peso. O motivo que levou o equatoriano ao levantamento de peso mostra que isso não é coincidência: “O que mais me agrada na modalidade é ser um esporte sem limites. Não tenho restrições alimentares, posso comer de tudo”. E come: 12 mil calorias por dia, revela.

O equatoriano pode ser o mais gordo, mas não é o maior. Nem o mais pesado. Esse título fica com o judoca romeno Daniel Natea. Nem os seus 2,03 metros de altura são capazes de distribuir olimpicamente seus 170 quilos. A barriga insiste em saltar do quimono, e a faixa preta quase precisa de extensor. Ao seu lado, até o gigante francês Teddy Riner, que tem a mesma altura e domina a categoria de Natea no Judô há anos, parece “pequeno”.

Tantos quilos a mais não constituem vantagem nem desvantagem especialmente importantes, no seu caso. O romeno chegou a primeiro do ranking da categoria para a Copa do Mundo de Judô, venceu sua primeira luta no Rio por ippon (o golpe perfeito que, como um nocaute, determina o fim da luta). Foi desclassificado na segunda, quando perdeu, também por ippon, para um usbeque 13 centímetros mais baixo e 38 quilos mais leve.

A diversidade de biotipos é a essência dos Jogos Olímpicos. Quando se olha o gráfico de dispersão com os cruzamentos de peso e altura médios por esporte isso fica evidente, tanto para homens quanto para mulheres. Em um extremo estão as ginastas, com 1,55 metro de altura e 48 kg de peso, em média. Do outro, os jogadores do basquete masculino, com 2 metros de altura e 100 kg de peso, também em média. Mas, mesmo entre eles, as diferenças são gigantescas. Variam do 1,81 metro do armador argentino Facundo Campazzo aos 2,18 metros do pivô chinês Muhao Li.

DISTINTOS

Entre as duas pontas, milhares de atletas dividem-se por dezenas de esportes que demandam compleições físicas distintas. O tae-kwon-do, o remo e o vôlei, por exemplo, requerem atletas desproporcionalmente altos em relação ao peso. Enquanto a luta olímpica, o judô e o tiro costumam atrair os desproporcionalmente pesados. O mesmo vale para as mulheres.

O triatlo (para ambos os sexos) e a ginástica rítmica (para as mulheres) tendem a concentrar os atletas mais “secos”, com menor IMC. Mesmo que não sejam altos – e não são –, tendem a ter um peso desproporcionalmente baixo para sua altura.

A preparação específica para cada modalidade e a busca por medalhas levam os atletas a perseguir extremos. Para o médico Zogaib, a maioria dos maratonistas estão abaixo do peso, assim como atletas do levantamento de peso estão acima do ideal. Nem por isso se pode dizer que algum deles não seja saudável.

Apesar das lesões por esforço repetitivo e do desgaste que treinamentos intensivos e competições frequentes provocam, alguns atletas conseguem se manter em forma por muitos e muitos anos. Prova disso é que há alguns sessentões disputando a Rio-2016. O britânico John Whitaker, de 61 anos, e a neozelandesa Julie Brougham, de 62, são cavaleiros. Juntos, têm 110 anos de experiência. Na comparação com as médias de altura, peso e idade dos outros competidores, são os mais fora da curva.

O britânico está em sua sexta olimpíada e dá sua receita para se manter competitivo no esporte por tanto tempo: “Tudo o que você pode fazer é ser profissional. Acordo às 6h30 todo dia e treino os cavalos, tentando sempre melhorar. Não quero vencer a qualquer custo. Amo o que faço, e vencer é um bônus. Se consigo pagar as contas, estou feliz”.

De volta à praça de alimentação e às médias, talvez os marqueteiros olímpicos preferissem usar outra atleta – que também representa com precisão o peso, altura e idade médios dos competidores – como garota propagada dos Jogos. A saltadora em distância mexicana Yvonne Trevino fez história ao ser a primeira a representar seu país nessa prova nas Olimpíadas desde 1968. Além do desempenho, dos 1,70 metro, 63 kg e 26 anos, tem os mesmos atributos que levaram sua prima Salma Hayek a Hollywood.  

Mais conteúdo sobre:
Olimpíada RIo 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Para ‘manter a forma’, atleta do levantamento de peso come dois frangos por dia

Fernando Salas, do Equador, tem o maior IMC dos Jogos e ingere até 12 mil calorias diárias

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2016 | 05h00

Quando o equatoriano Fernando Salas se senta para almoçar, a quantidade de comida na mesa seria suficiente para alimentar uma família. Durante a preparação para os Jogos do Rio, o atleta do levantamento de peso bebe todo dia cerca de sete litros de água e come dois frangos assados para manter o sonho de bater a marca pessoal. O objetivo é erguer mais de 400 quilos.

Com 1,86m e 155 kg, o gigante equatoriano tem o maior índice de massa corporal (IMC) entre os 11.400 atletas olímpicos. O número é um dos indicadores utilizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para aferir o sobrepeso nas pessoas. A relação de peso e altura de Salas é de 44,8 e se encaixa na categoria de obesidade.

“Como cerca de 11 a 12 mil calorias por dia. Posso comer de tudo, sem problemas. Proteínas, carboidratos e doces são permitidos sem problema algum”, disse o equatoriano ao Estado. O consumo do atleta é seis vezes maior do que as 2 mil calorias por dia recomendadas pela OMS para um adulto.

Salas explica que precisa comer bastante para repor o gasto energético nos treinos. São quatro horas por dia na musculação, na preparação física e ensaios de movimentos que vai fazer nas competições. Na terça, será a estreia dele na categoria para homens acima de 105 kg, a disputa nos Jogos com a presença dos atletas mais fortes – e também com os competidores de maior IMC.

Feijoada para três. O equatoriano já incluiu na pesada dieta comidas brasileiras. Há um mês no Rio, ele foi provar a feijoada em um restaurante semanas atrás. “Acho muito boa. Comi uma vasilha de barro inteira, sozinho. Não tenho noção de quantas pessoas a quantidade poderia servir. Talvez umas três”, contou.

Competir com Salas nas refeições e nas provas olímpicas não será fácil. Ele conquistou o bronze no Pan-Americano de Toronto, no ano passado, mesmo depois de se recuperar de uma chikungunya semanas antes da competição. Recordista no Equador e 34.º no ranking mundial, ele tem como sonho no Rio bater o recorde pessoal. A meta é conseguir erguer 410 quilos. Se conseguir, o “comilão” certamente vai celebrar comendo muito mais do que dois frangos inteiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.