Messi insiste em ir aos Jogos sem esperar recurso no TAS

Fifa obrigou que os clubes liberassem os jogadores com menos de 23 anos; Barcelona vai recorrer da decisão

EFE

30 de julho de 2008 | 09h51

O atacante argentino Lionel Messi, do Barcelona, disse nesta quarta-feira, antes de saber da resolução da Fifa que obriga o clube espanhol a liberá-lo para disputar os Jogos Olímpicos de Pequim de 2008, que irá à disputa sem esperar o recurso ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS, em francês) de sua equipe. Veja também: Fifa obriga Barcelona a liberar Messi para os Jogos "Se a Fifa diz que eu fique, fico, e se diz que vou, me incorporo à seleção sem esperar o TAS, porque se esperar, será tarde", disse o jogador, antes de partir para Florença, onde o Barcelona disputa seu terceiro amistoso da pré-temporada. Messi reconheceu que, "por enquanto", quer estar com a seleção da Argentina, mas disse que, se tiver que voltar às atividades do Barcelona, fará isso. A Fifa resolveu que a liberação de jogadores com menos de 23 anos para o torneio olímpico de futebol é obrigatória, comunicou o juiz da Comissão do Estatuto dos Jogadores da Fifa, o tunisiano Slim Aloulou. O Barcelona tinha indicado há poucos dias que recorreria ao TAS se a sentença da Fifa não fosse favorável ao clube. O jogador insistiu em que seu desejo é que "tudo se esclareça", e deixou claro que "desde o princípio" disse que queria jogar com a seleção argentina e "em nenhum momento teve problemas, até agora". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.