Rafael Ribeiro/ CBF
Rafael Ribeiro/ CBF

Micale promete time ofensivo e pode até escalar seleção sem volante

Se seguir numeração de 1 a 11, Renato Augusto será meia mais defensivo da equipe

Almir Leite - Enviado Especial a Teresópolis, Estadão Conteúdo

20 de julho de 2016 | 11h42

O técnico Rogério Micale não esconde de ninguém que para ele um time de futebol deve ser equilibrado e ofensivo. Essa predileção pelo ataque ficou clara na convocação da seleção olímpica e de certa forma na definição do número das camisas que os jogadores irão utilizar nos Jogos do Rio.

De 1 a 11, a seleção não tem nenhum volante e quatro atacantes bem ofensivos. A numeração tem Renato Augusto com a 5, Rafinha Alcântara com a 8 e Luan com a 7. Neymar, claro, ficou com a 10, Gabriel, o Gabigol, é o 9 e Gabriel Jesus o 11. Zeca ficou com a 2 e Douglas Santos com 6. O goleiro Fernando Prass (1) e os zagueiros Rodrigo Caio (3) e Marquinhos (4) completam a relação dos 11 primeiros.

Questionado se poderia escalar esse time, que não teria volante, Micale foi direto: "Sim, poderia". Depois, entre sorrisos, disse que a numeração "tem e não tem" relação com o time titular e deu razão a quem considera tal escalação muito ofensiva.

Pouco antes o treinador afirmara que o time titular vai ser definido com o decorrer dos treinamentos, a partir de sua obervação sobre como os jogadores se sentem e se encaixam no sistema de jogo proposto. Ele tem como base o 4-2-3-1, mas ressaltou que essa é apenas uma "plataforma inicial" e que em momentos ofensivos o time pode se armar no 4-2-4 (como sugere a escalação baseada na numeração de 1 a 11) ou 4-3-3.

No entanto, Micale reconhece que escalar Rafinha e Renato Augusto como volantes pode comprometer um das principais virtudes de ambos, que é ir à frente. Eles pode se sentir obrigados a ficar mais presos, preocupados com a marcação. Mas, se alcançar o equilíbrio pregado pelo treinador, isso talvez seja possível, pois o time "atacaria com 11 e defenderia com 11".

Uma possibilidade bastante forte é Zeca ser fixado na lateral direita. "Ele já jogou nessa posição comigo", diz Micale. Ele também defende a inversão dos laterais. "No mundo inteiro se usa pontas com os pés trocados (canhotos na direita e destros na esquerda). Essa inversão ajuda a fechar o espaço, pois o lateral fica em cima da perna boa do cara na hora em que ele vai cruzar, por exemplo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.