Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Ministro do esporte nega Plano de Medalhas do governo

Mesmo com texto presente no site oficial do ministério, Leonardo Picciani desconversou

Constança Rezende/ RIO, Estadão Conteúdo

21 Agosto 2016 | 14h36

Apesar de estar no site oficial do Ministério dos Esportes, o ministro Leonardo Picciani negou que exista um Plano de Medalhas do governo, que previa colocar o Brasil entre os 10 primeiros países nos Jogos Olímpicos de 2016. Picciani disse, em coletiva de imprensa, neste domingo, 21, que a meta era do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), e não do Governo Federal.

Na página do ministério, porém, um texto afirma que "o Plano Brasil Medalhas 2016, lançado em setembro de 2012, tem como objetivo colocar o Brasil entre os dez primeiros países nos Jogos Olímpicos e entre os cinco primeiros nos Jogos Paralìmpicos em 2016".

Questionado pelos jornalistas sobre o fracasso da meta, Picciani afirmou que "não pode considerar como descumprida uma meta que não é do ministério".

"A meta de ficar entre os dez primeiros foi dita pelo COB, não pelo ministério. Mas ficamos bem posicionados.  A diferença para a décima posição seria apenas uma medalha de ouro", disse o ministro, no Rio Media Center,  no Centro do Rio.

Ele também afirmou que os atletas brasileiros evoluiram em praticamente todas as modalidades e que a meta para a Olimpíada de 2020 é "superar a meta deste ano". " Fizemos o  que o Brasil tinha capacidade de fazer, e fizemos bem. Vamos manter e aprimorar os investimentos. Mas precisamos que a economia cresça", disse.

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.