Inovafoto
Inovafoto

Minutos em quadra de atletas da NBA tiram o sono de Magnano

Jogadores atuam muito menos do que desejava o treinador

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

25 de dezembro de 2015 | 07h00

Não é de hoje que o técnico Rubén Magnano está preocupado com o tempo em quadra dos jogadores que atuam na NBA. Os minutos são fundamentais no planejamento da comissão técnica para os Jogos Olímpicos do Rio. O panorama neste momento é ruim e dificilmente vai mudar até o final da temporada da liga norte-americana.

Apesar de registrar o recorde de nove atletas, o Brasil perdeu o protagonismo. O caso mais emblemático é o de Anderson Varejão. Após se recuperar de uma lesão no tendão de Aquiles do pé esquerdo, o pivô perdeu espaço no Cleveland Cavaliers, registrando média de apenas 8.7 minutos por jogo. A minutagem é muito inferior ao da sua média histórica na liga, que é de 25.2 minutos. 

"O ideal era estar jogando mais. Mas todo mundo que está aqui é profissional e sabe que deve estar preparado para servir o clube e também a seleção nos Jogos Olímpicos", minimizou Varejão.

Nenê é outro jogador do provável quinteto titular da seleção que virou reserva nesta temporada. O pivô tem atuado 17.4 minutos em média pelo Washington Wizards contra 28.8 da sua média histórica na liga norte-americana.

Armador titular da seleção, Marcelinho Huertas confirmou o temor de Magnano ao trocar o Barcelona pelo Los Angeles Lakers. O sonho de atuar na NBA fez o jogador perder minutos preciosos em quadra. Na última temporada pelo time catalão, ele jogou 21.9 em média. Agora são apenas 12.9 pela franquia californiana. E isso quando tem chance de entrar em quadra.

Campeão da NBA pelo Golden State Warriors, Leandrinho é um dos poucos que não teve uma alteração significativa no tempo de quadra. O ala tem jogado 14.6 minutos em média contra 14.9 da temporada passada. Na média histórica, ele registra 22.6 minutos.

"Me preparo muito bem, me dedico muito. Estou super tranquilo, não é uma situação que me incomoda. Claro que jogamos um pouco mais na seleção e eu até gosto disso", afirmou Leandrinho.

A troca entre San Antonio Spurs e Atlanta Hawks também gerou um decréscimo no tempo em quadra de Tiago Splitter. O pivô, que é reserva, tem jogado 16.6 minutos contra 19.6 de sua média histórica na NBA.

Raulzinho é o único jogador com chances de ir aos Jogos Olímpicos que é titular neste momento na NBA. Mesmo assim, o armador do Utah Jazz registra uma média inferior aos reservas da posição. O brasileiro atua 16.9 minutos contra 27.5 de Alec Burks e 23.3 de Trey Burke.

Sem vaga garantida no grupo da seleção, Lucas Nogueira, o Bebê, saiu do ostracismo no Toronto Raptors e tem atuado 10.4 minutos em média. Companheiro do pivô na franquia canadense, Bruno Caboclo está jogando na D'League e, no aspecto de minutos, está em vantagem, já que jogou 32.3 minutos (em 15 jogos) pelo Raptors 905. Por fim, Cristiano Felício não tem atuado pelo Chicago Bulls.

Magnano ainda não divulgou quando começa o período de preparação. A temporada regular da NBA termina em 13 de abril. Os playoffs vão até junho. O torneio olímpico masculino começa no dia 6 de agosto. Com isso, o argentino terá um pouco mais de um mês para tentar recuperar o ritmo dos jogadores para buscar uma medalha.

"A minha necessidade é que o jogador jogue", repetiu Magnano mais de uma vez. "Já vivi e sofri com isso na Seleção. Para mudar o chip em pouco tempo de preparação, não é fácil", completou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.