Na final do futebol, calor de 42 graus impede bom espetáculo

Argentina e Nigéria, dois dos times maisinteressantes do torneio de futebol da Olimpíada de Pequim,deram seu máximo na luta pela medalha de ouro, neste sábado,sob um calor que chegou a 42 graus centígrados no Estádio Ninhode Pássaro. Os dois técnicos disseram que seus times sentiram o calorescaldante no jogo que começou ao meio-dia do mais queconhecido verão abafado de Pequim. O jogo, vencido pela Argentina por 1 x 0, teve pausas aos30 minutos da etapa inicial e aos 25 do segundo tempo, para queos jogadores pudessem se hidratar. A decisão foi da Fifa, eteria sido tomada em acordo com os médicos das equipes. Um dirigente da Fifa disse que a temperatura alcançou 32graus na sombra, e 42 ou mais no campo. A partida, entre dois times que ganharam suas semifinaispor margem de três gols, desapontou ao extremo, com seusjogadores praticamente andando em campo. A única surpresa foi a Nigéria jogar 30 minutospressionando no ataque depois do gol de Angel Di María. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, e o vice-presidenteJulio Grondona, os dois de terno, também pareciam incomodadosna entrega de medalhas e flores aos medalhistas olímpicos. "Atrapalhou os dois países", disse o técnico da Nigéria,Samson Siasia, a repórteres. "A maior parte dos jogadores nãomostrou seu melhor futebol por causa do calor." "Nós não fazemos as regras. Foram eles que disseram quetínhamos de jogar ao meio-dia, o que não achamos uma idéiamuito boa." O treinador argentino Sergio Batista disse que seu timeprecisou ajustar seu estilo para suportar o clima. "Não quero comentar sobre a organização", disse ele."Claro, não é o mesmo espetáculo, o espetáculo que poderia tersido. Hoje estava muito quente e os jogadores sentiram." "Tivemos de nos adaptar à temperatura e jogar de maneirainteligente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.