Na matemática das marcas, atletismo está perto do pódio olímpico

A 24 dias da cerimônia deabertura da Olimpíada de Pequim, os números vão além dacontagem regressiva na preparação dos brasileiros para asmodalidades mais tradicionais dos Jogos. Nas piscinas e pistas,os atletas buscam centímetros ou segundos que podem serdecisivos em suas apresentações. Para as saltadoras Maurren Maggi e Fabiana Murer, bastariarepetir o que já fizeram este ano para voltarem da China comuma medalha na bagagem, caso nenhuma adversária consiga superaro que já fez em 2008. Os nadadores Thiago Pereira e César Cielo conseguiriam, nomáximo, uma final olímpica se não ganharem segundos preciososem suas provas. E a dificuldade seria ainda maior caso o númerode norte-americanos por prova não fosse limitado a dois. "O atleta que está na frente (no ranking) já entra como ohomem a ser batido, o que é uma pressão grande. Todos os outrosentram olhando para ele", disse à Reuters o técnico deatletismo Lauter Nogueira. "Matematicamente, ele tem maischances, mas tem que aguentar a pressão." Maurren Maggi, vivendo o melhor momento da carreira desdeque foi suspensa por doping em 2003, possui atualmente asegunda melhor marca do mundo em 2008 no salto em distância,6,99 metros. Na carreira, seu melhor salto foi 7,26 metros, em1999. A marca, alcançada em junho com vento contrário, fica atrásapenas dos 7,04 metros alcançados pela russa LyudmilaKolchanova, que lidera o ranking mundial da modalidade. O saltode Kolchanova teve auxílio do vento, mas dentro do limitepermitido. A brasileira ainda é dona do quarto melhor salto do ano(6,95 metros), enquanto a adversária tem o único salto entre os10 melhores da temporada. No salto com vara, Fabiana Murer é a 3a melhor atleta doano. Numa prova que a medalha de ouro dificilmente não ficarácom a recordista mundial Yelena Isinbaeva, da Rússia, abrasileira se aproximou do pódio ao conseguir o melhorresultado da carreira no mês passado, ao saltar 4,80 metros. Isinbaeva, com o recorde mundial de 5,03 metros, tem amelhor marca de 2008, enquanto a norte-americana JenniferStuczynski, com 4,92 metros, vem em seguida. "Nos Jogos Olímpicos existe todo um procedimento, estressefísico, psicológico...os atletas não correm para buscar tempos,para atingirem o ápice, eles correm para buscar medalha. Existeum grau de competitividade, olhares de milhões de pessoas estãovoltados para eles", acrescentou o técnico. "A Isinbaeva, ela é diferente, talvez seja uma das únicascom chances de quebra de recordes na Olimpíada", opinou. O vice-campeão mundial do salto triplo Jadel Gregório éoutra esperança brasileira no atletismo, mas por enquanto nãoconseguiu um resultado expressivo em 2008. Ele é apenas o 6omelhor atleta do ano, com 17,28 metros, empatado com ocompatriota Jefferson Sabino. Jadel, entretanto, tem como recorde pessoal a marca de17,90 obtida no ano passado, recorde sul-americano da prova. Setivesse repetido seu melhor, ele seria o líder do rankingmundial, à frente do britânico Phillips Idowu. Idowu lidera a lista com 17,58 metros, à frente do cubanoArnie Daavid Girat (17,50 metros) e de Randy Lewis (17,49metros), de Granada. NATAÇÃO Na piscina de Pequim, os dois principais nadadores do paísterão que superar o melhor que já fizeram até agora para levaro país novamente ao pódio, depois de o esporte ter ficado semmedalhas em Atenas-2004. César Cielo, que este ano disse que chegaria a nadarpróximo ao recorde mundial, é apenas o 9o do ranking em 2008nos 100 metros livres, e está uma posição atrás nos 50 metros. Apesar de ser beneficiado pela não classificação para osJogos dos norte-americanos Benjamin Wildman Tobriner e GaryHall, ambos com tempos melhores que o seu este ano, Cielo aindaestá longe do pódio. Seu melhor tempo no ano é 21s90, ante 21s28 do recordistamundial Eamon Sullivan, da Austrália, que fez o tempo este ano.Hoje em dia, o terceiro na lista é o norte-americano GarrettWeber-Gale, com 21s47. Nos 100 metros, o brasileiro tem como melhor tempo no ano48s34, ante 47s50 do francês Alain Bernard, o recorde mundial.Sullivan é o 2o, com 47s42, e o norte-americano Jason Lezak vemem seguida, com 47s58. Já o multicampeão pan-americano em 2007 Thiago Pereira terápela frente o fenômeno norte-americano Michael Phelps em suasduas provas, os 200m e 400m medley. Phelps lidera o rankingmundial e tem o recorde mundial em ambas as distâncias. Além do ouro praticamente certo de Phelps, os EUA tambémsão fortes candidatos à prata, com Ryan Lochte, que segue deperto o rival nos dois rankings. O brasileiro aparece melhor nos 400m, em quinto lugar, com4min12s90, contra 4min05s25 de Phelps e 4min06s08 de Lochte. Oterceiro é o húngaro Laszlo Cseh, com 4min07s96. O trio tambémlidera os 200m, que tem Thiago em sétimo. (Reportagem adicional de Pedro Belo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.