Divulgação
Divulgação

Anistia Internacional denuncia alta de homicídios no Rio

Evento aconteceu no mesmo dia em que o Brasil tentou mostrar que a Olimpíada gera impacto positivo

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2016 | 07h00

A Anistia Internacional denunciou na ONU e no COI o aumento da violência policial no Rio às vésperas dos Jogos Olímpicos. Segundo a entidade, houve um salto “sem precedentes” no número de mortes cometidas por policiais em junho, no mesmo momento em que operações de segurança ganham força em diversas regiões do Rio. A Anistia levou um apelo para que o COI e a ONU cobrem medidas por parte das autoridades brasileiras.

O evento organizado pela Anistia Internacional, Terre des Hommes e outras entidades internacionais para realizar a denúncia em Genebra ocorreu no mesmo dia em que o Brasil usou o Conselho de Direitos Humanos da ONU para tentar mostrar ao mundo que o evento no Rio de Janeiro está tendo um impacto positivo para a cidade. 

“Venho pedir que a Olímpiada não deixe um legado de lágrimas e de sangue. Mas de direitos e uma vida digna”, afirmou a carioca Ana Paula Oliveira. As vésperas da Copa do Mundo de 2014, em maio, seu filho de 19 anos foi morto por policiais com um tiro nas costas. Mas, segundo a Anistia, ele não foi o único caso. Naquele ano, os homicídios no Rio aumentaram em 40%. Agora, com outro mega-evento por ocorrer, a entidade aponta que uma vez mais há um aumento nas mortes registradas. 

Apenas nos primeiros 24 dias de junho, 23 homicídios foram contabilizados, um número que a Anistia afirma ser “inédito” para o mês. Em abril, foram mais 35 homicídios cometidos pela polícia, segundo os dados da organização.  As autoridades brasileiras admitem a existência da violência policial e, mesmo na ONU, o governo vem reconhecendo que terá de lidar com essa situação. Mas tanto a diplomacia quanto os responsáveis pelas áreas de segurança apontam que a tendência não tem qualquer relação com o evento olímpico no Rio.

A Anistia conta que, nos encontros com as forças de ordens, os responsáveis também insistem que as operações não tem relações com os Jogos Olímpicos.  Desde o Pan de 2007, foram 1,3 mil mortes por policiais apenas no Rio de Janeiro. Entre 2013 e 2015, o salto foi de 55%, atingindo 645 homicídios e 45% a mais que todas as mortes cometidas pela polícia dos EUA.

Outra preocupação da Anistia se refere ao fato de que centenas de homens que estavam atuando nos serviços administrativos serão usados para a segurança na cidade. A entidade, porém, denuncia o fato de que muitos dos policiais atuando na administração são aqueles que aguardam um julgamento por crimes denunciados. Para a ONU e para o COI, a Anistia pedirá que medidas sejam adotadas para conter a violência. Ontem, num documento, as entidades pedirão que a ONU coloque pressão sobre o governo brasileiro para que adote medidas claras para esclarecer para a população de locais ocupados sobre como ocorrerá o sistema de segurança e a quem denunciar caso haja abuso de poder.

Ao COI, a Anistia Internacional insiste que irá pedir que a entidade também cobre do Brasil e de futuros eventos garantias por parte das autoridades nacionais de que as populações mais vulneráveis não sejam afetadas pelas violações.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.